The magic happens!

 photo 79a82fc3653fad92f8e6ac5367125bf9_zpsiyiwqy3s.jpg

Pois é, amigos, e aí que de repente começa a acontecer um monte de coisas na vida que te deixam empolgados ao mesmo tempo. E aí a gente é obrigado a parar um pouco, definir prioridades e assimilar tudo.

Lembram que eu contei que iríamos gravar um curta novo esse ano porque ganhamos um prêmio no ano passado? Então, começamos esse final de semana que passou. Quero dizer, as gravações porque a pré-produção e tudo mais ainda não acabou. Como dá trabalho, gente! É uma atividade que nos consome muito e são muitos problemas para serem solucionados que não tem como passar pra outras pessoas. Mas começamos com o pé direito e estou com bons pressentimentos.

Já estou editando os vídeos de making-of e em breve posto aqui (praqueles que gostam de acompanhar esse processo!).

Por causa de uma cena do filme, a própria atriz – que também é dançarina – propôs que toda a equipe fizesse uma oficina de dança (obrigada, Mayara!), como forma de preparar o elenco. E também pra ser legal, ora! Nessa oficina, aprendemos um pouco (e dançamos muito!) sobre um tipo de dança chamado Contato improvisação (procura no youtube, gente!).

E, certamente, essa foi uma das experiências mais doidas e boas que tive nos últimos tempos. Primeiro, eu sempre gostei de dançar e fiz balé quando eu tinha, sei lá, 4 anos. Então a dança, como atividade física, como técnicas que se aprende e como possibilidade de sentir uma coisa nova, estava looonge de mim. E é muito incrível como a gente é colocado numa situação assim completamente nova e de repente a gente tá lá, dançando feio doidos! Sério, nunca imaginei que isso pudesse acontecer, que eu, meus amigos, de repente entraríamos num transe e faríamos algo que a gente nunca tinha pensado antes na vida!

Acho que as vezes a gente esquece que não estamos mortos, né? Tenho 25 anos, mas a vida não acabou (oh, the drama)! Ainda podemos ter sensações novas e viver umas coisas assim inesperadas. E como isso bota a gente pra pensar!

E só pra fechar esses dias intensos com chave de ouro, amanhã vou SP com minha irmã! Vamos passar uns bons 5 dias por lá batendo perna e vou aproveitar pra conhecer umas pessoas queridas demais que conheci por causa do blog.

Êta coisa boa! <3 As vezes a gente tem que deixar os pequenos probleminhas superficiais e coisas negativas completamente de lado (quer dizer, isso devia ser todo o tempo, mas quem consegue, né? ) pra realmente aproveitar essas coisas novas que a vida dá.

(Essa imagem é da série Girls, pra quem não conhece!)

Uma tarde preguiçosa em Tandil

Uma das coisas que mais fazíamos em Tandil e uma das que eu sinto mais falta, é passear a pé pela cidade, parar na praça e ficar por lá conversando e tomando um pouco do (pouco) sol.

Vocês se lembram daquele meu projeto de resgatar e organizar as imagens que fizemos durante nosso intercâmbio pra Argentina? Então, nesse segundo vídeo decidi reunir algumas imagens que fizemos em uma dessas nossas idas à praça.

Apesar de ser uma cidade bem pequena (na época, eram aproximadamente 100 mil habitantes), Tandil é super arborizada e tem muitas praças e parques. E o melhor de tudo: são lugares super frequentados por todo mundo.

Nós moramos perto da Plaza Independencia – essa que aparece no vídeo – que fica bem no centro da cidade, então conseguimos aproveitar bastante desses momentos. Do meu olhar estrangeiro, eu diria que é um costume deles simplesmente ir à praça ficar de bobeira, com um grupo de amigos, tomando mate, jogando bola, tocando violão. Na hora da saída da escola, então, ficava cheio de crianças e adolescentes reunidos em grupinhos. Pra gente que era de fora, acho que se tornava uma experiência ainda mais interessante porque podíamos observar os outros, ver o que eles faziam, o que falavam, como se comportavam… e pouco a pouco ir fazendo parte daquele lugar também.

No frio, isso de ficar nas praças já era normal. Quando chegou a primavera, o sol começou a aparecer mais frequentemente e as árvores ficaram mais bonitas, verdinhas, cheia de flores, nossa, foi um boom de gente. No final de semana, tanto as praças quanto os parques ficavam cheios de amigos, famílias, gente com cachorro, gente fazendo ioga, gente fazendo piquenique… as vezes era até difícil encontrar lugar pra sentar!

Talvez em cidades que também tenham parques maiores e mais bem cuidados, esse também seja um costume, mas aqui em Juiz de Fora muito pouco disso acontece e só em lugares muito específicos. Hoje se vamos sair é sempre pra ir fazer alguma coisa, ir à um restaurante/bar, ir no shopping, ir ao centro fazer compras… sabe? Sinto bastante falta de estar entediada num final de semana e sair de casa, passar na loja de balas (comprar 3kg) e ir pra praça, sem ter o objetivo de fazer nada, só ficar lá, curtindo o friozinho e aproveitando a cidade e o espaço público, que afinal, está lá pra isso mesmo. Agora vê se pode isso, até pra fazer nada tá difícil!

Bom, o vídeo é bem curtinho mesmo, só pra vocês sentirem a vibe do lugar. Tenho muitas fotos, mas vou fazer posts separados pra mostrar pra vocês cada lugar desses porque vale a pena!

Las medialunas argentinas!

Em 2010, eu e Dudu fizemos um intercâmbio através da universidade para a Argentina. Foi, sem dúvidas, uma das melhores experiências da minha vida e sinto saudades de lá até hoje, principalmente nesse friozinho.

Nós moramos em Tandil, uma cidade de pouco mais de 100 mil habitantes que fica a seis horas do Buenos Aires. Fomos estudar cinema na Faculdade de Artes, o que contribuiu mais ainda para a experiência ser um divisor de águas na minha vida. Mudei tudo o que eu pensava e tudo o que eu tinha vontade de estudar quando estive lá, além de ter outra visão sobre o que é viver no Brasil. Sou outra pessoa hoje graças a isso.

Enquanto estávamos lá, pensamos em fazer um documentário sobre a viagem e sobre a relação Brasil e Argentina então fizemos mil imagens e entrevistas. Mas, infelizmente, no nosso último dia, entraram no apartamento que alugamos em BsAs e roubaram todo nosso equipamento. Além do prejuízo, perdemos parte das imagens que havíamos feito. A outra metade ficou num hd que não levaram.

Desde então, há quatro anos, essas imagens estão paradas aqui. Mas resolvi ressuscitá-las! Afinal, já faz muito tempo, o trauma já passou e temos que nos ater às coisas boas que ficaram, certo? Infelizmente não vamos conseguir fazer um documentário… Mas vou editando aos poucos, do jeito que parecer mais interessante. Assim, posso compartilhar um pouco da experiência do intercâmbio, além de poder organizar e dar vida a todo esse registro que temos aqui. Afinal, é parte da nossa história.

Aqui vai o primeiro e, provavelmente, o mais gostoso de todos!

São Paulo para iniciantes!

Como alguns de vocês já devem saber, eu moro em Juiz de Fora, Minas. Isso significa que eu estou relativamente bem longe de São Paulo. Seis horas e pouquinho, aproximadamente, de ônibus. Como contei no post anterior, resolvi aproveitar (que a viagem é longa e cansativa) e passar o feriado da Páscoa lá e pela primeira vez consegui conhecer um pedacinho da cidade.

Digo pedacinho porque é uma cidade gigantesca, né? Por mais que eu tenha pesquisado bastante e pedido dicas para os amigos, é sempre difícil saber por onde começar numa cidade grande e cheia de lugares interessantes para conhecer.

Então, resolvi fazer esse post pra você que está planejando ir a São Paulo e que também precisa de dicas!

1. MIS + Rua Augusta

Não vou mentir. A razão pela qual eu fui em São Paulo foi a exposição sobre o David Bowie que estava no MIS (Museu da Arte e do Som). Estou MUITO MUITO feliz de ter ido! Foi uma exposição maravilhosa, fiquei impressionada com a estrutura. Não entendo nada de curadoria, mas a curadoria tá de parabéns! E não tenho esse espírito de tirar fotos de tudo, fico perdida olhando tudo e esqueço de tirar até do que eu queria realmente. Então não tenho fotos, apenas algumas que estão no instagram. Mas vocês podem ver tudo pelo catálogo produzido pelo MIS nesse link. Tudo o que posso dizer é que realmente foi linda, tanto quanto disseram por aí *.*

Eu definitivamente voltaria no MIS porque eles sempre tem programações excelentes pelo que vi e eu gosto muito de museus e de lojinhas de museus!

Rua Augusta, São Paulo

Além disso, o caminho ate lá é super agradável. É longo, mas você pode ir pela rua Augusta, o que já dá um outro passeio ótimo. A rua Augusta é cheia de lojinhas alternativas de roupas e acessórios e dá pra encontrar bastante coisa legal, apesar de tudo ser um pouco overpriced, afinal, é um lugar muito badalado da cidade. Mas vale totalmente a pena!

2. CineSesc e outros cinemas

 photo _MG_3639_zps89e63913.jpg

Descendo a rua Augusta descobrimos, sem querer, que o CineSesc fica lá! Eu sofro muito com a programação alternativa de cinema aqui de JF, que é quase nula, então quando vi os filmes que estavam em cartaz por lá, pirei. Assistimos Doméstica, do Gabriel Mascaro, que estava na programação do 40 Festival Sesc Melhores Filmes.

Por falta de tempo e planejamento, acabamos não assistindo mais nenhum. Mas se você também gosta de ir ao cinema, programações diferentes por lá é o que não falta. Além do CineSesc, sempre tem alguma coisa rolando nos outros Sescs da cidade, na Cinemateca, nos museus e no(s) Espaço(s) Itaú de Cinema! Certamente devem ter outros e opção tem de sobra pra quem gosta de cinema!

3. Liberdade e Rong He

Sem dúvida foi o melhor lugar que visitei! Adoro comida japonesa/chinesa e artigos de decoração japoneses/chineses!

Se você gosta de chás, assim como eu, é o melhor lugar para comprar alguns sabores diferentes. E se você gosta de latas de chá, assim como eu, Liberdade é o lugar perfeito mesmo. Fiquei totalmente perdida e comprei alguns diferentes pra provar.

Além de todas as MUITAS lojas com artigos para casa, decoração, roupas, maquiagens e os supermercados e mercadinhos com produtos orientais diferentes, tive o prazer de ir ao restaurante chinês Rong He. Ele foi uma SUPER indicação da Yule, essa menina fofa da vida que escreve aqui e que mora em SP. <3

Pela primeira vez comi guioza de verdade, feito no vapor. Nada a ver com essas coisas engorduradas e pesadas que vemos nesses restaurantes de comida oriental. Fiquei apaixonada! Fomos duas vezes e iria mais mil pra poder experimentar todos os pratos. As porções são extremamente generosas e o preço também! (Paula, do Brigadeiros e Barcelona, lembrei de você por causa do guioza! Conhece esse lugar?)

Uma outra atração do restaurante é o preparo da massa. É um verdadeiro show e fiquei impressionada com a técnica. Pareceu meio mágico pra mim, haha, ainda não entendi como aquilo se transforma no macarrão. Aqui tem um vídeo com o cozinheiro de lá!

A Liberdade também é o lugar certo pra você que gosta de animes! Ficamos enlouquecidos com todas as lojas que vendem miniaturas lindas e fofas dos animes que a gente curte, além de roupas, fantasias, enfim… tudo, eles tem tudo de tudo!

4. Feira da Benedito Calixto

O que dizer? Sou apaixonada por feiras. Na Liberdade também tem uma que acontece no fim de semana. Mas quando fiquei sabendo que existe essa feira de antiguidades na praça Benedito Calixto ao sábados, quis ir de qualquer jeito. É um paraíso! Tem de tudo mesmo: móveis, roupas, acessórios, artigos para decoração, brinquedos, jóias… Também é um lugar overpriced, mas feira de antiguidades é assim mesmo.

Além da feira, tem MUITAS lojinhas e bares nas ruas da região. Em várias os produtos são de produção própria e/ou artesanais o que é muito mais legal. É um lugar muito agradável e dá pra passar a manhã e a tarde toda por lá.

Feira da Praça Benedito Calixto

Bom, estes foram alguns lugares que conheci, que gostei e que certamente voltaria! Espero ajudar você que pretende ir a São Paulo pela primeira vez! E você que mora lá ou que conhece outros lugares bons, por favor, me indique! Pretendo voltar, quem sabe ainda este ano.

Espero que tenham curtido as dicas! Qualquer outra dúvida, é só perguntar!

Bom fim de semana pra todo mundo!

Marcadores de livro #3: updates + downloads gratuitos!

A coleção cresceu bastante nas últimas semanas, então acho que chegou o momento de fazer mais um update! Sempre que viajo tento comprar marcadores novos. É engraçado porque sempre acabo encontrando algum super diferente. Ou eles me encontram, vai saber!

(Para ver as fotos em tamanho maior, é só clicar nelas)

Mas os primeiros que vou mostrar foram, na verdade, presente! O Otávio (falei dele aqui, lembram?) voltou do intercâmbio na Europa e trouxe esses marcadores que são alguns dos mais chiques da coleção até agora, haha. O primeiro é de Portugal produzido pela Edições 19 de Abril, que vendem alguns produtos inspirados no país. Esse é uma ilustração do poema O Fado, do Eça de Queiroz. O segundo é super chique! Do museu do Magritte em Bruxelas.

_MG_3630 (1)No feriado da Páscoa fui pra SP e consegui achar alguns lindos por lá! Esses dois primeiros comprei na feirinha da Liberdade. São feitos à mão, como vocês podem notar. O primeiro é essa bonequinha de quimono em dobradura. Muito fofo e bem feito, vocês tinham que ver de perto! Infelizmente não lembro quem os faz. O segundo foi feito com uma planta natural e desidratada chamada Chapéu Chinês. Tinham muitos modelos diferentes, mas eu compro pra coleção aqueles que tocam meu coração, haha <3 Esse das flores tem um site, que guardei pra quem se interessar.

_MG_3622

_MG_3620Eu AMO marcadores de imã! Acho ótimo pra usar principalmente em livros pequenos porque aí não corre o risco de amassar o marcador. O primeiro lindo do Totoro é da Oizumi Gami. Eu o encontrei na loja colaborativa Cada Qual que fica na Rua Augusta, 2171. Tinham vários do Studio Ghibli, mas eu não conhecia os outros filmes. E esse outro do metrô achei super criativo! Não lembro onde comprei, mas foi em alguma daquelas lojinhas que fica ao lado da feira na Benedito Calixto. Confesso que me arrependo de não ter comprado mais nesse lugar. Tinham vários lindos!

_MG_3625

_MG_3626Pra finalizar, encontrei esses vários marcadores disponibilizados gratuitamente pra gente imprimir e claro que eu iria compartilhar com vocês! Os dois primeiros estampadinhos são do site Lemon Squeezr. Na verdade tem mais um no conjunto, mas a impressão não ficou boa, então descartei. Os segundos não são exatamente marcadores de livros. Eles são tags, sabe? Aquelas pra colocar em presentes. Mas na natureza tudo se transforma e quando bati o olho não tive dúvidas que dariam marcadores fofíssimos! Eles são do site Creature Comforts.

_MG_3636Recomendo imprimir em um papel de gramatura mais alta ou em papel fotográfico pra que ele possa ficar mais resistente. Se você tiver paciência, também pode levar numa gráfica e escolher diferentes tipos de papéis. Uma boa impressão vai fazer toda a diferença!

Espero que tenham gostado das dicas, gente! : )

Ah, e se você não liga muito pra marcadores e acaba eventualmente jogando-os fora, lembre que eles serão muito bem vindos aqui, haha! o/

 

Férias de verdade (que chegaram ao fim)!

Olá amigos e amigas! Depois de uma semaninha de folga, estou de volta. E agora é sério, as férias acabaram.

Acho que fazia muito tempo que eu não viajava assim, pra ficar por conta do nada. Confesso que levei meu notebook, na intenção de trabalhar um pouco, mas ao todo, em cinco dias, acho que fiquei 1 hora na internet. Isso é ótimo, quase um milagre! Eu lembro que uma vez, quando eu tinha 14 anos, fomos pra praia e eu enlouqueci porque ia ficar sem computador, haha!

Já tem muito tempo que não assisto TV. Talvez uns dois anos. Inclusive, não tenho o aparelho de TV na minha casa. Não sinto falta e, muito sinceramente, não faz falta. Agora fico feliz que eu passei dessa fase da internet também e consigo ficar uma semana desconectada, haha! Faz bem, né? Pelo menos eu acho. O que vocês pensam sobre isso?

 IMG_2579

Essas fotos são em Arraial do Cabo, no RJ. Tudo lindo, praia linda, água linda… MENTIRA, nem todas, gente. Nadamos felizes da vida na Praia dos Anjos, admirados com a água verdinha e morna. Depois descobrimos que ela é poluída, o esgoto cai todo nela, hahaha! Enfim, apenas um aviso pra no caso de vocês irem lá.

Mas o restante é tudo lindo mesmo.

GOPR0147

GOPR0138

IMG_2587

IMG_2593

Coisas legais de Goiânia!

Então, estou de volta a Juiz de Fora, infelizmente – porque agora tenho que encarar todos os meus trabalhos de novo – ou felizmente – por incrível que pareça, senti falta dessa cidade.

Olha, vou ser sincera, desculpa se tem alguém lendo que é de Goiânia, mas não gostei de lá. Achei tudo muito longe, muito demorado ir de um lugar pra outro, as ruas são muito vazias a noite… Enfim, o ritmo é muito diferente daqui de JF, mas de um jeito que não consegui me adaptar, não sei explicar bem.

Massss, é claro que coisas legais aconteceram e sobre isso que vim falar aqui : )

1. Voar!

Pode rir a vontade, gente, mas sempre vou achar emocionante andar de avião. Não faço isso sempre, a última vez foi em 2010. Apesar do pequeno desconforto, demora, pessoas ansiosas batendo o pé na poltrona do lado e do ASSALTO que são os preços dos lanches nos vôos da Gol, é recompensante por causa dessa vista.

go3

go2

go6

2. Frutas do serrado

Sou amante de frutas e fiquei encantada com as várias e várias frutas que tem naquela região e que eu nunca tinha ouvido falar. No lugar onde aconteceu a Anped – evento que eu fui apresentar o trabalho – estavam vendendo picolés Fruta do Serrado, só com essas raridades. Algumas que eu lembro são gabiroba, cagaita e araticum. Eu resolvi experimentar um picolé de cajá-manga, que, normalmente, se come com sal. Sim, com sal. Me aventurei e o Dudu fotografou esse momento marcante, hahaha. Reparem em como eu AMEI o sabor. Mentira, sem sal é um delícia, sério!

go4

go5

3. Apresentação do documentário

Esse ano eu e o Dudu fizemos um documentários sobre nossa faculdade como TCC. O inscrevemos numa sessão de documentários da Anped e ele passou! Ficamos super felizes porque é um evento muito importante na área. Anped é a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação e foi a primeira vez que ele foi exibido pra muita gente, fora da banca. Foi muito bem recebido, recebemos vários elogios! Enfim, vou deixar o link aqui pra quem quiser assistir!

4. Corujas

Por último, mas não menos importante, vimos essas corujinhas na UFG e tivemos que fotografar. É muito difícil ver aqui em JF e elas geralmente fogem. Mas essas foram muito simpáticas. Lívia, te dedico essa foto, hahaha.

go1

Acho que foi isso tudo. Na verdade, comprei vários livros numa feira que estava rolando por lá. Encontrei uma edição de Peter e Wendy da Cosac Naify tão, mas tão linda, que merece um post a parte! Em breve aparecerá por aqui.

Bom fim de semana pra todo mundo!