Filmes da Semana #2

The curse of the cat people (A maldição do sangue da pantera, Gunther von Fritsch e Robert Wise, 1944)
 photo l_36733_bdc16535_zpse736bf4f.jpg

Talvez o filme mais estranho que vi nos últimos tempos por um único motivo: não tem maldição, não tem sangue, não tem pantera, não tem gato nenhum no filme. Depois que vi fiquei totalmente perdida porque não estava entendo o título! Eu assisti num domingo de manhã, estava totalmente descansada, não cochilei…

Enfim, depois de muito tempo fui pesquisar e vi que na verdade era a sequência do filme Cat People, de 1942, também dirigido pelo Robert Wise. Mas acontece que um não tem nada a ver com o outro. Apenas uma personagem está presente nos dois, mas realmente eles não tem uma conexão.

Problemas com o título à parte, o filme conta a história de Amy Reed, uma menina solitária que tem problemas em fazer amigos e acaba arrumando uma amiga imaginária. Não vou dar spoilers, mas posso dizer que é um filme interessante pra pensar na relação das crianças com a imaginação.

Não sou super fã dos filmes norte-americanos da década de 40 e não fiquei super empolgada com ele. Mas eu diria que se você gosta de filmes em que crianças são personagens principais, acho que vai curtir esse. Só não vá esperando grandes emoções!

 

The Bling Ring (Sofia Coppola, 2013)

 photo l_2132285_65d7c33c_zpseec11be6.jpg

Provavelmente muitos de vocês já viram esse filme. Eu diria que eu gostei, é um filme ok, um bom entretenimento, digamos.

Na realidade fiquei mais impressionada com a história real dos jovens que assaltavam as mansões em Hollywood. Depois que o filme terminou, fui procurar informações sobre o caso e fiquei bem chocada com as entrevistas com a “líder” do grupo, Alexis Neiers (que no filme é interpretada pela Emma Watson que, no filme, não é a líder. Não entendi essa adaptação) e seu estilo de vida.

Longe de querer fazer definições de “como é essa geração”, mas acho que a futilidade, o consumismo e os desejos vazios mostrados no filme são comportamentos muito recorrentes hoje em dia. Só que elevados a outros níveis, claro.

Ah, e ao contrário do que ouvi, não gostei da Emma Watson no filme, gente, haha! Sei lá, achei que o sotaque não teva nada a ver com ela. Perdeu a naturalidade. Alguém mais concorda?

 

A mão que balança o berço (The hand that rocks the cradle, Curtis Hanson, 1992)

 photo l_104389_8867cf94_zpsc5767514.jpg

Bom, só coloquei esse filme aqui pra falar com vocês: muito ruim. Sem dúvida esse é o filme mais absurdo, mais tragicamente cômico que eu vi nos útlimos tempos. E uma perda de tempo.

Sente o drama da história: Um ginecologista abusa de Claire, que está grávida. Claire o denuncia. O homem fica doido e se mata. Por causa disso, a mulher do médico, Peyton, tem um ataque e perde o bebê que estava esperando. Resultado: Peyton se passa por babá e vai trabalhar na casa de Claire pra vingar a morte do marido e do bebê. Ela na verdade vira uma porra-louca que quer roubar a família da outra.

Por que não assistir? Primeiro motivo: é MUITO óbvio. Pior do que novela. Até pelo cartaz já dá pra adivinhar a história. Os personagens são muito estereotipados. Peyton é muito má e Claire muito idiota. Michael, marido de Claire, é outro bobo. Enfim, é cansativo, monótono e totalmente irreal.

Segundo e principal motivo: é um filme extremamente machista que mostra quais as preocupações e quais as atribuições de uma mulher na família: ter um bebê, cuidar do marido e da casa. No final, a briga de Peyton e Claire é apenas uma disputa pra ver quem é a fêmea alpha da casa.

O fato de Claire ter sido abusada é totalmente deixado de lado e, na verdade, o filme deixa claro que a vingança de Peyton foi uma punição por ela ter denunciado o médico. Claire, obviamente, não deveria ter feito isso. Enfim, durante o filme tem vários outros diálogos e acontecimentos machistas de alto nível. O interessante é que o roteiro foi escrito por uma mulher.

—–

E aí, já assistiram algum desses? E o que andam vendo ultimamente?

Adoro indicações de filmes, gente. Deixem aí nos comentários! : )

Até a próxima!