Filmes da semana #16

filmes da semana

E não é que eu andei assistindo a alguns filmes? Não tanto quanto eu gostaria, mas… De qualquer forma o final de semana tá chegando e se você tá sem ideias e querendo umas dicas de filmes pra assistir, deixo aqui minhas recomendações!

Heathers (Michael Lehmann, 1988)

 photo 10artsbeat-heathers-videoSixteenByNine600_zpsohp5vscz.jpg

Com o nome horroroso em português Atração Fatal, esse filme é tipo uma versão de Meninas Malvadas + As Patricinhas de Beverly Hills só que nos anos 80 e com mortes e crimes.

Veronica, que costumava ser uma garota “comum” na escola, acabou se envolvendo com um grupo de patricinhas comandado por uma menina chamada Heather. Vocês sabem, aquele estereótipo norte-americano das patricinhas. Percebendo que as meninas eram esnobes, que maltratavam os outros e que isso não iria lhe trazer nenhum bem, Veronica se juntou com um cara esquisitão da escola pra se vingar de todas as cool kids.

Primeiro: não fazia ideia da existência desse filme. Só assisti porque vi que a Winona Ryder tá no elenco e eu andei muito numa fase de Winona Ryder. Acabou que foi uma surpresa boa. Segundo: estamos muito acostumados com esses filmes high school, mas esse é mais pesado que o normal e eu certamente não recomendaria pra uma criança/adolescente porque, né, não queremos mortes nas escolas. Enfim, se você é fã de filmes dos anos 80 ou da Winona, vai na fé que vai ser bom.

*

O Espelho (Andrei Tarkovsky, 1975)

 photo 0.05.59_zpsrwkz0c3q.png

O Espelho (Zerkalo, no original) não é o filme mais fácil de descrever. Tudo que eu poderia contar pra vocês foi o que descobri enquanto assistia ou então que pensei só depois que ele terminou.

Ele foi escrito e dirigido pelo Tarkovsky e você provavelmente vai ler em todos os lugares que o filme é autobiográfico. Não conheço bem a vida dele pra confirmar isso e, convenhamos, essa coisa de realidade e ficção se confunde muito fácil.

Eu diria que o filme é um pouco como o retrato da vida e das memórias de um homem e também um retrato da vida na Rússia nos tempos da guerra. Não é um filme de ação, já aviso. É aquele filme pra assistir com disposição e atenção. Eu sugiro que vocês assistam ao trailer. Vocês vão entender melhor a vibe e vai ser melhor do que qualquer coisa que eu possa escrever aqui. Mas, ó, Tarkovsky é bom e bonito demais, isso não dá pra negar.

*

Ruby Sparks (Jonathan Dayton, Valerie Faris, 2012)

 photo Ruby Sparks_zpss3eye3zy.png

Calvin é um escritor que tá lutando pra escrever seu novo romance. Tentando sair desse bloqueio, ele acaba criando uma personagem, Ruby Sparks, que se transforma em sua amiga e sua namorada e eles vivem vários bons momentos juntos. Até que um dia ele percebe que não estava vivendo aquilo tudo na sua cabeça, ou no seu livro, mas que Ruby era real.

Vamos combinar que esse tema do escritor que não consegue escrever é bem clichê e tá presente em muitos filmes. Eu nem tava muito animada com Ruby Sparks, mas pensei que seria um bom filme levinho pra assistir naqueles dias de preguiça. E foi mesmo.

Acaba que o desenvolvimento do filme com esse aspecto meio mágico e surreal do surgimento da Ruby deixa tudo mais interessante e menos clichê. E sem dúvidas o filme transcende um pouco o que ele é e nos faz pensar sobre um certo tipo de relacionamento que é controlador, que é opressor, que não sabe lidar com a diferença e individualidade de cada um. É meio tentador pensar em criar alguém que vai ser e fazer exatamente o que você quer, mas se essa é uma boa ideia, é outra história.

Anúncios