Em cartaz #36: Czechoslovakian school of animated film

No meu vício de colecionar pôsteres legais e bonitos, acabei caindo no site Terry Posters e encontrando essas belezas.

Estes são cartazes de filmes infantis produzidos na antiga Tchecoslováquia durante um período conhecido como Czechoslovakian school of animated film (algo como Escola tcheca de filmes animados). Eu não conheço nenhum, infelizmente. Aliás, acho que tive pouco ou nenhum contato com filmes de animação de outros países, ainda mais antigos, que não sejam os que vi na TV ou no cinema quando era criança.

 photo 8_klubicko pitra 56_zpstbrxaqx1.jpg

 photo anon 60_zpstkxxemoi.jpg

 photo anon 58_zpscrbdiwjv.jpg

 photo pos petr 70_zps9kintemm.jpg

 photo ech Jindich 69_zpsrqew9ysc.jpg

 photo dvorak 65_zps0fststga.jpg

 photo anon 55_zpslgfe5c4d.jpg

Embora eu tenha gostado de todos (e mais outros mil que estão lá no Terry Posters), acho que alguns dos meus preferidos são estes abaixo, que tem traços bem simples e, eu diria, divertidos. Parecem desenhos feitos por crianças e por algum motivo isso me faz gostar mais deles.

No geral, os pôsteres me chamaram atenção porque são coloridos e alguns bem minimalistas. Eu não sei ler nada disso que está escrito neles, então não dá pra saber bem sobre o que é o filme. Mas o design, as cores e as formas como os desenhos estão distribuídos no espaço me parecem não tão convencionais. Além de pôsteres de filmes, poderiam facilmente ser quadros ou capas de livros.

 photo Hubikovaacute Alena 72_zpsgscc4gym.jpg

 photo Vodaacutekovaacute Sylvie 61_zpsud4ygxpe.jpg

 photo pos petr 61_zpsqj8pcuga.jpg

 photo Figer Jiiacute st. 62_zpscabe3wlq.jpg

 photo Sra Jaroslav 73_zpsq9x7goem.jpg

 photo Vodaacutekovaacute Sylvie 60_zpskjmcwxwu.jpg

Para acessar o link direto com o nome dos filmes e dos artistas que criaram os cartazes, é só clicar em cada imagem. E pra quem se animar, lá no site alguns deles estão à venda!

Boa semana, pessoal!

Em cartaz #31: Submarine

 photo submarine_xlg_zpsbub8j3pf.jpg

Submarine está na minha lista há tempos. E fico feliz em anunciar que ele é o primeiro filme da meta que fiz para esse ano (lembram?) que aparece aqui no blog.

Impressões antes de assistir ao filme: cartaz bonito, história boba.

Impressões depois de assistir ao filme: cartaz bonito, história boa, contada de um jeito bem diferente, leve, divertido e fantasioso. Tudo que eu precisava.

O filme é narrado em primeira pessoa por Oliver Tate. Na escola, ele é aquele garoto meio desajustado, com problemas de socialização, mas que acaba gostando de Jordana, uma menina da turma, totalmente diferente dele, cheia de personalidade e atitude.

Ao lado dessa trama, acompanhamos outra, que envolve a estranha relação que Oliver tem com os pais. Um tanto intrometida, eu diria, mas que faz muito sentido depois quando ele descobre que o casamento deles pode estar sendo ameaçado.

 photo tumblr_mas3lrTHGt1qbexr4o1_1280_zpslpv9mbye.jpg(fan made poster por Jack Watkins)

 

O filme é dirigido por Richard Ayoade, que depois descobri ser o mesmo diretor de O Duplo (outro filme que gostei bastante e comentei aqui). Não sei nada do diretor, mas já considero pacas, haha.

Foi meio inevitável para mim comparar o estilo de Submarine com o trabalho do Wes Anderson, por mil motivos. Primeiro, esteticamente. Os cenários são muito cheios de elementos que ajudam bastante a mostrar a vida dos personagens e eles praticamente vestem as mesmas roupas durante todo o filme. Os movimentos de câmera e enquadramentos são precisos – por exemplo, enquadrar pessoas e objetos bem no meio da tela. Acontece muitas vezes – e há vários closes em elementos que são importantes pra história – uma fita cassete, um bilhete, uma carta.

 photo 4a3f74c3cad7810d5604da2df98de327_zpsekltugoy.jpg

Todos os personagens também tem a personalidade muito bem delineada e isso não se modifica muito ao longo da narrativa. As vezes eles acabam transformando situações simples e algo muito complexo ou dramático. E tudo isso é contado através de diálogos inteligentes e, claro, uma trilha sonora maravilhosa.

Deem uma olhada no trailer pra vocês sentirem do que eu estou falando.

Infelizmente não encontrei muitos cartazes do filme. Infelizmente não, porque o oficial é bem bonito e dá conta do recado, inclusive do título, que não vou explicar aqui, claro.

Encontrei esses cartazes fan made, que foram os poucos que identifiquei os autores. Tem outros por aí, mas prefiro postar aqueles que eu possa dar o crédito, afinal é um trabalho e muito bom e que eu gosto bastante.

O preto e branco foi meu preferido, pra variar.

 photo dc168cbb766d606380a85977c1a69ad0_zpstqtf79de.jpg(por Sad Disco *o tumblr não existe mais)
 photo f0115a33ef5125d070433dd208307382_zps7ttzynri.jpg(por Steve Womack)

 

Confesso que depois desse tempo senti uma certa dificuldade em escrever o post, haha. Mas enfim, o blog está de volta! Minha banca de mestrado vai ser no dia 16, mas agora a vida já está entrando novamente nos trilhos.

Espero que tenham gostado da dica do filme. E se alguém já assistiu, não deixa de me contar o que achou! (E ouçam a trilha! Sério, é muito boa!)

 

Em cartaz #29: León, The Professional

Para começar o ano bem, o primeiro post de 2015 vai ser sobre um dos melhores filmes que assisti nos últimos tempos. Com certeza é também um daqueles que estavam na minha lista esperando há muito para para ser escolhido. Vários de vocês já comentaram sobre ele por aqui e eu deveria ter assistido antes!

 photo leon1_zps656f69df.jpg

León, León: The Professional, O Profissional são algumas variações do título desse filme belíssimo do Luc Besson, lançado em 1994.

Ele conta a história do encontro entre León e Matilda. Ele, um assassino profissional, impecável no trabalho que faz, quase um mágico, tamanha destreza e habilidade para matar pessoas. Ela, uma garota de 12 anos, que mora com o pai, o irmão, a madrasta e sua meia-irmã. Uma família problemática, para dizer o mínimo.

Um dia, toda sua família acaba sendo assassinada devido ao envolvimento do pai com o tráfico de drogas. Matilda se safou porque havia ido ao mercado comprar coisas para casa e também um litro de leite para seu vizinho, León. Ao voltar e ser surpreendida com a situação, ela não tem onde procurar abrigo, a não ser com León. Os dois não são íntimos, mal se conhecem e, relutantemente, ele aceita ficar com ela por um tempo. E ela está decidida a aprender o ofício de León, para vingar a morte de seu irmão, o único com que ela realmente se importava.

 photo leon7_zps8ab43294.jpg

 photo leon6_zps3e49df07.jpg

 photo leon4_zps13b509d6.jpg

Confesso que não fiquei muito empolgada com os cartazes. Os originais mais divulgados por aí (os dois primeiros) tem bastante cara de cartaz de filme de ação dos anos 90 e não são lá muito atraentes. Mas existem vários trabalhos legais feitos por fãs e também versões de outros países mais interessantes.

Mas os motivos pelos quais eu gostei do filme são muitos. Então, vamos lá.

Primeiro: acho que todos aí conseguem identificar que é a Natalie Portman nos cartazes, certo? Na época, ela tinha entre 12 e 14 anos (não sei ao certo quanto tempo durou a produção do filme) e este foi seu primeiro longa-metragem. Gente, não tem outra forma de dizer isso, ela simplesmente samba na cara de todo mundo nesse filme. Essa mulher nasceu pra atuar mesmo, não tem jeito!

O filme não é delicado, não tem temas delicados e Matilda é uma personagem sofrida e forte, que lida com o amor e a morte de formas intensas. Foi uma estreia poderosa para uma pessoa tão jovem, sem dúvidas. (Encontrei no youtube o vídeo com o teste da Natalie para o filme, vale a pena assistir!)

Vi uma entrevista em que Natalie conta como foi dureza os pais a deixarem atuar no filme. Claro, não deve ser exatamente a personagem que os pais sonham para suas filhas de 12 anos. Parece que eles colocaram várias condições para que ela pudesse participar e Luc Besson acatou. Por exemplo, Natalie conta que eles pediram que ela aparecesse com cigarro apenas 5 vezes durante o filme todo e que nunca deveria tragar. Algumas cenas com conotações sexuais também foram retiradas do roteiro.

Fico feliz que Besson tenha aceitado, de outra forma pode ser que Natalie não tivesse uma estreia tão boa no cinema (mentira, ela teria sim!). E enfim, acho que o filme está no ponto certo. Talvez se tivesse sido mais explícito, seria no mínimo estranho e desconcertante.

 photo leon2_zps2b971d62.jpg

 photo leon3_zps9c156070.jpg

Eu adoro filmes em que há personagens principais crianças, mas que não sejam para crianças, e sim sobre elas e esse é mais um motivo que me fez gostar de León. Ele é assim e conquistou meu coração logo nos primeiros minutos.

Ao mesmo tempo que notamos como a garotinha é forte, ao longo do filme vai se aflorando por trás de toda aquela carcaça de matador profissional, o lado mais sensível e doce de León. Acima de tudo, acho que esse encontro inesperado e a forma como a relação deles se desenvolve é o que mais me fez gostar do filme.

 photo leon5_zps37f2d8cd.jpg

Se você não assistiu, fica a recomendação, a primeira do ano! Para quem tem curtido essa vibe anos 90 também indico muito o filme. A direção de arte é excelente e Matilda é uma garotinha com muito estilo.

Me lembro que muitos de vocês já citaram o filme nos comentários, então quero saber o que vocês acharam! Me contem aí!

Os cartazes são do site the image kids has it.

Em cartaz: Meta para 2015

Eu já contei pra vocês que, assim como muitas vezes compro livro pela capa, eu também guardo pôsteres bonitos de filmes, sem saber exatamente sobre o que eles são. Ou então, alguém me indica algum filme e depois vejo que o pôster é lindo e fico animada a assistir.

Pensando nisso, resolvi estabelecer uma meta. Selecionei alguns desses pôsteres de filmes (quase) desconhecidos por mim e decidi que vou assisti-los no ano que vem. Como vocês podem notar, fiz uma meta bem possível e bem pé no chão com apenas 12 filmes, ou seja, um por mês. Não adianta querer fazer metas loucas porque sei que vai ser difícil cumprir. Sempre aparecem filmes legais no caminho e a listinha acaba ficando pra trás.

Mas dessa vez vai ser totalmente possível e me comprometo a falar sobre cada um deles aqui no blog!

 photo meta1_zps65ba10a7.jpg

1. A Guerra dos Botões (War of the Buttons, John Roberts, 1994)

2. Upstream Color (Shane Carruth, 2013)

 

 photo meta2_zpsa225edd3.jpg

3. O Espírito da Colmeia (El Espiritu de la Colmena, Victor Erice, 1973)

4. O Discreto Charme da Burguesia (Le Charme Discret de La Bourgeoisie, Luis Buñel, 1972)

 

 photo meta4_zps356f31ea.jpg

5. Homens, Mulheres e Filhos (Men, Women & Children, Jason Reitman, 2014)

6. Ida (Pawel Pawlikowski, 2013)

 

 photo meta3_zps07cd140f.jpg

7. Submarine (Richard Ayoade, 2010)

8. Os Pássaros (The Birds, Alfred Hitchcock, 1963)

 

 photo meta5_zps60d6a62a.jpg

9. Amores Expressos (Chunking Express, Wong Kar-Wai, 1994)

10. E.T, O Extraterrestre (Steven Spielberg, 1982)

 

 photo meta6_zps86260b84.jpg

11. Terra Estrangeira (Walter Salles, 1996)

12. Metropolis (Fritz Lang, 1927)

 *

Como contei, alguns filmes são um completo mistério pra mim, como Upstream Color, Terra Estrangeira, Ida e O Espírito da Colmeia. Esses totalmente me pegaram pelo cartaz+título. Já alguns são clássicos que eu nunca assisti, como o E.T., Metropolis e Os Pássaros. Listinhas de meta são boas exatamente pra colocar esses filmes que a gente fica enrolando pra assistir! Mas no geral, realmente não sei o que esperar dos filmes. Li a sinopse e vi o trailer de alguns, mas não li nada sobre eles, então vai ser só surpresa!

E vocês, já conhecem algum desses filmes? E fizeram alguma meta pra 2015 também?

Me contem! (:

(Obs.: Dudu, espero que fique animado com a lista também! <3)

Em cartaz #28: Palo Alto

 photo palo-alto-poster10_zpsfb234e51.jpg

Sou dessas que também assiste o filme por causa do cartaz e quando vi esse de Palo Alto, logo fui procurar por ele. Confesso que vi o trailer e resolvi assistir sem expectativa, mais porque o filme foi dirigido pela Gia Coppola, que é neta do Francis Ford Coppola e eu meio que gosto da família. Mas achei que seria um romance desses mamão com açúcar.

E olha, não é não.

O filme conta um período da vida de dois adolescentes, April e Teddy, que hora se entrecruzam, ora não. Eles estão no high school na cidade de Palo Alto, que é onde vai se desenrolar a história. Logo no começo do filme já fica claro que April e Teddy se gostam, mas é aquela relação esquisita de adolescente em que nenhum dos dois diz nada para o outro.

Mas o filme não é exatamente sobre isso. Ele se ramifica em diversas sub-histórias. Explora a relação de April com suas colegas de sala, seus parentes e seu treinador de futebol, Mr. B.; e a relação de Teddy com seu melhor amigo Fred – o típico amigo “encrenqueiro” – com a violência e o sistema judicial juvenil e com seus impulsos artísticos.

Como comentei, ora essas histórias se esbarram, ora são exploradas mais pontualmente.

 photo palo_alto_ver3_xlg_zps36a4af12.jpg

 

O filme foi feito com base num livro de contos escrito por James Franco, que faz o papel de Mr. B. No making-of, Gia conta que ela sempre gostou de high school movies, que é como eles chamam esse tipo de filme, e era o que ela queria fazer. E acho que foi muito bem sucedida.

Não conheço o high school nos EUA, talvez uma visão estereotipada dele, mas acho que o filme coloca várias questões que são muito próprias da adolescência e do momento atual que vivemos. A futilidade e a crueldade das meninas, o tédio, a falta de perspectiva, os laços de amizade que são facilmente desfeitos, a forma infantilizada com que se começa a vida sexual, a violência descabida e inconsequente.

Não quero ser moralista e gostei do filme exatamente porque ele não tenta dar uma lição de moral no fim. As relações são complexas e as coisas não acontecem por motivos óbvios e lógicos sempre.

 photo palo_alto_xlg_zpsb5dd7ce5.jpg

Enfim, não quero ficar falando muito da história aqui. Mas é um filme bem calmo e delicado e me fez ficar nostálgica em algumas partes. Além de tudo, é muito bonito de se ver. Tem planos bonitos com cores bonitas – que acho que podem render um post a parte porque valeria muito a pena.

Ele é de 2013, bem recente, então acho que encontram fácil pra assistir por aí. É o primeiro longa de Gia Coppola e, preciso dizer, quem dera eu começar a carreira com um filme assim! Se vocês quiserem ver mais, o filme tem um tumblr oficial com várias fotos e gifs.

É isso. Fiquem com o trailer e com minha recomendação!

Onde comprar pôsteres

Essa é uma série de 3 posts em que vou falar um pouquinho sobre pôsteres/cartazes/quadros. O primeiro é este, sobre onde comprei os meus e onde vocês podem comprar. O segundo será sobre pôsteres para download gratuito. Vou disponibilizar alguns que eu tenho também. E o terceiro será sobre o processo de impressão, formatação, resolução, tamanho, tipos de papel, etc.

*

Desde quando fiz meu poster tour, a pergunta que mais recebi foi onde comprar pôsteres/cartazes/quadros. Eu decidi não falar sobre isso no vídeo porque achei que seria chato e ficaria longo. Mass, atendendo a pedidos vou contar pra vocês!

Onde comprei os meus

meus pôsteres2

Pierrot le fou: encontrei meu posterpreferidodavida na loja desse vendedor chamado Jomms no ebay. Ele tem muitos e muitos outros cartazes. São caros, viu, não vou mentir, mas são originais. Quando digo originais, quero dizer que ele não faz uma produção em série, não tem mais cartazes do Pierrot le fou pra vender. Provavelmente os cartazes dele ficavam nos cinemas mesmo ou são peças de colecionador, algo assim. O vendedor é de Nova York e o cartaz chegou super bem embalado, fiquei impressionada. Se você é apaixonado por algum cartaz e procura uma versão original, dê uma olhada no perfil dele!

IMG_8677

The Beatles e Easy Rider: comprei na Galeria do Rock em São Paulo numa daquelas lojas de disco. Queria ter levado outros porque tinham muitos e o preço foi ótimo, 15 reais cada. Super recomendo pra quem quer encontrar cartazes de filmes ou de bandas!

Primeiro Plano: esse é o cartaz de divulgação do Primeiro Plano, um festival de cinema que acontece aqui em Juiz de Fora todo ano. A arte da edição de 2009 foi a que mais gostei até hoje e decidi pedir um pra mim!

Casa America e Tournée du Chat Noir: comprei os dois durante meu intercâmbio na Argentina em 2010. O da Casa America encontrei naquela famosa feira de San Telmo em Buenos Aires. Lá tem muita gente vendendo posteres e ilustrações vintage. Naquela mesma região, quando estávamos indo embora, lembro que encontramos essa loja meio antiquário, meio sebo, e foi onde encontrei essa reprodução de uma das propagandas do cabaré Chat Noir, feita pelo Theóphile Steinlen. Não lembro o preço, mas foi bem baratinho.

2001, Uma Odisséia no Espaço: esse eu ganhei da loja Moloko Psicodélico, quando fiz a parceria para o sorteio de aniversário do blog.

IMG_8680

Agora, os quadros pequeninos.

Frida Khalo: esse quadro é do Otávio, nosso amigo que morou com meu namorado antes de mim. Os meninos deram o nome para a “república” deles de Freud&Frida por causa desse quadro e outro do Freud que temos aqui. Mas não sei onde o Otávio arrumou esse!

Moulin Rouge: quadrinho super clichê, mas como não achar bonito? Esse comprei junto com o Chat Noir em Buenos Aires.

Casal simpático: quem é esse casal? Não faço ideia, haha! O Dudu encontrou esse quadrinho por 4 reais numa barraca na feira da Praça Luis XIV no Rio de Janeiro e decidimos levar mesmo não sabendo quem são. Tinham muitas e muitas fotografias antigas todas por esse preço.

Esse tipo de feira de antiguidades é ótimo para encontrar cartazes antigos e quadros com um estilo mais vintage. Sempre que vou viajar procuro saber sobre as feiras que tem na outra cidade porque é certeza de encontrar coisas legais.

IMG_8674

Psicose: Esse quadro fica no banheiro, dentro do box. Foi ideia do Otávio, mas eu também já tinha o visto antes. Tenho quase certeza que vimos no mesmo site de decoração! Pegamos a imagem na internet e mandamos imprimir. Simples assim.

Caso vocês se perguntem, não, o quadro não está danificado de nenhuma maneira. Ele pega todo o vapor do banheiro, as vezes fica um pouco molhado, mas continua intacto!

meus pôsteres3

Freud: Usamos essa fotografia do Freud há muito tempo em um curta que fizemos pra faculdade. O Dudu nunca quis desfazer dela, então ficou guardada. Quando ele se mudou pra cá, resolveu trazê-lo para fazer companhia a Frida. E assim surgiu Freud&Frida. Hoje ele não fica mais na sala, está na nossa despensa/área de serviço. Acho que por isso tá tão mal-humorado assim, haha!

*

Onde encontrar pôsteres na internet e os problemas disso

Vou ser bem sincera com vocês, nunca comprei pôster de nenhum site. Se você procurar na internet “onde comprar posteres”, vão aparecer mil lojas, todas com coisas lindas e, provavelmente, com um preço bom ou razoável.

Por mais que várias que pareçam legais e confiáveis, acho que não seria certo indicar sem eu ter, de fato, visto algum cartaz fisicamente. Porque não importa se a imagem é bonita e se está dizendo que o tamanho dela é, sei lá, 90x60cm. O que importa mesmo é a qualidade da impressão e isso não posso garantir pra vocês.

Seria legal se vocês procurassem a opinião de pessoas que já compraram pôsteres daquela loja X que vocês gostaram. Ou então, por exemplo, buscar o facebook ou instagram da loja porque as vezes eles postam fotos reais dos produtos, então dá pra ter uma ideia da qualidade. Isso é o que eu faria.

Mas, como comentei no início, o Ebay é um bom lugar para encontrar cartazes, principalmente alguns mais antigos. O legal é que grande parte dos vendedores postam as fotos verdadeiras dos cartazes/ilustrações, as vezes com detalhes e tudo, mostrando se tem algum pequeno defeito. Isso passa uma segurança maior na hora de comprar.

Chico Rei: os únicos posteres de loja que já vi ao vivo foram os da Chico Rei, que é aqui da minha cidade. Eu nunca comprei nenhum, mas já estive com eles nas mãos e a qualidade é muito boa. Acho o preço bem razoável (entre R$19 e R$29) e as ilustrações bem criativas, então vale a pena. (Isso é não é um publipost, viu gente? É só uma opinião sincera)

*

E termina então a primeira parte dessa série de posts. Se ainda tiverem alguma pergunta, é só falar! Espero ter ajudado vocês, que as dicas tenham sido úteis!

E vamos conversar, se vocês tem sugestões ou já tiveram experiência com alguma loja online de pôsteres, me contem!

o/

Em cartaz #26: Criterion Collection Designs

Não tem nenhuma, mas nenhuma vez que eu tenha me deparado com alguma capa de DVD da Criterion Collection e não tenha gostado. Existem muitos cartazes de filmes bonitos, mas esses designers da Criterion fazem simplesmente um trabalho maravilhoso.

Para quem não conhece, Criterion Collection sobre eles mesmos (minha tradução):

Desde 1984, a Criterion Collection, uma série contínua de importantes filmes clássicos e contemporâneos, tem se dedicado a reunir os maiores filmes de todo o mundo e publicá-los em edições que oferecem a mais alta qualidade técnica e conteúdos complementares originais. Ao longo dos anos, à medida que se mudou de discos a laser para DVD, Blu-ray e transmissão on-line, temos visto um monte de coisas mudarem, mas uma coisa permanece: o nosso compromisso de publicar os momentos marcantes do cinema para um público cada vez mais amplo.

 photo 9d520addb16ecae37cc5df84e1652d39_zps4034d618.jpg

 photo 15f94c2fa32c8c8f51a37ec3112fee6e_zps14815b4f.jpg

Então, essas imagens que vocês estão vendo são capas de DVD/Blu-rays ou então art works, como eles chamam. Eles também fazem alguns posters, que estão a venda na loja online (infelizmente só para os EUA e Canadá).

Acho que já comentei aqui outras vezes, mas gosto muito dessa técnica de usar fotografias para fazer os posteres e eles usam bastante isso. Talvez seja o que mais me chama atenção nessas artes. Acho que pode parecer fácil usar uma foto, mas se tratando de um filme, é preciso de um pouco mais de análise e sensibilidade para criar uma capa que apresente o filme para o público.

Resolvi colocar essas do Halloween e do Exorcista pensando nisso. As capas/cartazes de filmes de terror geralmente são bem clichês e repetitivas. Eu acho maravilhosa e medonha essa capa de Halloween. Esse é um plano que dura, sei lá, dois segundos no filme, mas congelado assim fica super medonho! Totalmente me convenceria, haha. E quem já assistiu O Exorcista, sabe que essas escadas tem um pequeno papel na trama. Para mim é genial que eles tenham escolhido justamente uma foto delas. É super original e consegue condensar acontecimentos importantes do filme sem deixá-los explícitos. Jamais teria essa ideia…

 photo 81c7b0ebe8f9c9a5935b3b6447c1c8fa_zpsf7ea219d.jpg

 photo bc4d6f6f2d436941652a32332f1ea5a7_zps6553ade5.jpg

Além de todas essas artes bonitas que eles criam, o site da Criterion é maravilhoso. Se você gosta de cinema, precisa conhecê-lo. Tem críticas excelentes, entrevistas com diretores e personalidades sobre cinema, listas de filmes…

O canal deles no youtube também é muito bom. Planejo assistir tudo que tem lá, haha. Mas já indico uma série chamada Three Reasons, em que eles nos dão três razões para assistir determinados filmes. E funciona bem, minha lista de filmes aumentou por causa deles, haha!

 photo cc2_zps2605d69c.jpg

 photo cc1_zpscb671111.jpg

 photo cc3_zpsd5741b3e.jpg

E para finalizar, e também para me matar do coração, eles anunciaram esse ano o livro Criterion Designs, em que vão estar nada mais nada menos do que os 30 anos de design e trabalhos artísticos feitos pela Criterion. Pra que, gente? Pra que fazer isso com meu coração e com meu bolso? Ninguém precisa passar por isso, haha!

Esse livro maravilhoso já está na pré-venda por US$99 no site da Criterion, mas encontrei na Amazon por US$65, ou seja, acho que o preço vai cair com o tempo. Espero. Eu aconselho vocês a clicarem no link aí para verem algumas fotos do conteúdo do livro. É uma preciosidade!

 photo 81W6mazc3NL_zpsf3e2a9e4.jpg

Bom, gente, isso é o que temos para essa segunda! Espero que gostem e que visitem o site da Criterion porque vale a pena demais! Não é jabá, viu? Antes fosse, hahaha! É só amor mesmo!
Boa semana pra todo mundo!

Em cartaz #24: Dolls

Estou pra dizer que este foi um dos filmes mais bonitos que vi nesse ano. Bonito aqui em todos os sentidos, tanto por causa das imagens quanto das histórias que conta. Procurei bastante, mas parece que ele só tem esse cartaz, o que, na verdade, não é problema nenhum porque acho que ele representa o filme muito bem.

 photo dolls1_zpsf55d33b3.jpg

Dolls é de 2002 e foi dirigido pelo japonês Takeshi Kitano. Eu diria que o filme conta três histórias de amor e explora as possibilidades e os limites das pessoas para estar perto, para ajudar e para encontrar aqueles que elas amam. As histórias não tem exatamente uma ligação entre si e o filme também não é episódico, ou seja, elas não são contadas uma após a outra, mas são entrecortadas.

O filme é lento, não lento chato, mas é lento porque as coisas acontecem devagar e vamos descobrindo e observando pouco a pouco quem são aquelas pessoas e como elas chegaram ao ponto que chegaram.

Não sou conhecedora da cultura japonesa, mas consegui perceber alguns elementos que aparecem nas relações entre os personagens em outros filmes, como a força da lealdade, o peso do destino, do fardo e da dívida que cada um carrega, o que acaba distanciando o filme de ser um happy ending do amor. O filme também começa com um teatro de bonecos, que acabei de descobrir que se chama Bunkaru, que é algo que existe há muito tempo no Japão e tem como objetivo contar as histórias antigas do país. Não consigo fazer uma análise profunda, mas sinto que todos esses elementos e simbolismos tem um papel forte no filme e tenho a impressão de que essas histórias não poderiam ter sido contadas da forma que foram se o filme fosse de outro país. Isso pode parecer óbvio, mas não sei, para mim, essas não são histórias de amor universais.

E para terminar, não podia deixar de comentar o quão maravilhosas são as imagens do filme. O cartaz já dá uma amostra boa do que vocês verão. As cores são vibrantes, as paisagens são de tirar o fôlego, tudo salta aos olhos. Infelizmente não encontrei nenhuma imagem ou vídeo com a resolução boa o suficiente pra vocês terem ideia do que eu estou falando, mas olha, é uma coisa maravilhosa de se ver. Eu não consigo descrever, só vendo mesmo…

Deixo vocês com esse trailer, que não está numa qualidade muito boa, mas acho que vale a pena! Se não sabe o que assistir nos próximos dias, já deixo minha dica!

Boa semana pra todo mundo!

Em cartaz #21: No

Estava na dúvida de qual cartaz postar hoje, mas todo esse clima de eleição me fez lembrar do No, um filme de 2012 dirigido pelo chileno Pablo Larraín.

Em 1988, o Chile tem que decidir, através de um referendo a permanência de Augusto Pinochet no governo, depois de 15 anos de ditadura. Pela segunda vez, o próprio Pinochet abriu o referendo, e a população deveria votar sim ou não, o que poderia dar a ele mais oito anos governando o país. A campanha do No contrata um jovem publicitário exilado do Chile, Rene Saavedra (Gael García Bernal), para pensar em novas estratégias e tomar a frente das propagandas.

O filme é baseado em uma peça do escritor chileno Antonio Skármeta, mas a história é real. A campanha ousada do No venceu e Pinochet finalmente saiu do poder.

 photo NodePabloLarraiacuten_zps8baf661b.jpg

 photo no_ver6_xlg_zps4a808d85.jpg

Os cartazes são bonitos e chamativos! Quando vi nos cinemas aqui de JF lembro que chamaram muito minha atenção (nem foi por causa do Gael, gente, nem foi… haha). Mas as cores tem uma razão de estarem aí, elas remetem à verdadeira identidade da propaganda criada por Rene. O primeiro cartaz é uma reprodução perfeita da arte usada de fato na campanha. Encontrei esse vídeo com as propagandas reais do Si e do No, se vocês quiserem ver.

O arco-íris tem muitas significações. Para mim, nesse contexto do filme, me lembra esperança, uma boa mudança repentina, um final feliz. Achei muito bom como eles usaram as cores em toda a extensão dos cartazes, com esse efeito de degradê entre elas. E acabou criando um contraste interessante com a imagem do Gael, que está sério e tenso.

Com exceção do último cartaz – que ficou com super cara de drama familiar, na minha opinião – essa ideia de brincar com as cores aparece em todos os outros. Ficou com uma cara meio hipster, talvez, mas achei que combinam com o filme e com a campanha do No.

 photo no_ver2_zps981951ca.jpg

 photo no_ver5_xlg_zpsf7d7b313.jpg

 photo no_ver4_zps0485730a.jpg

 photo no_ver3_zpsdc685241.jpg

Meus preferidos, sem dúvida, são os dois primeiros. Claro que ver a cara do Gael é ótimo, mas achei mais clean e mais anos 80 o primeiro cartaz e talvez eu goste mais dele no geral. Pra quem não conhece a história do Chile e não sabe do que se trata, acho que acaba sendo mais instigante também.

Por falar nisso, vale contar que o filme foi gravado com U-matic, um tipo de fita de vídeo usada naquela época, então as cores e textura da imagem são reais e parecem realmente produzido nos anos 80. Em vários momentos do filme foram inseridas imagens de arquivo da campanha e dos protestos da época, então dá pra notar como as imagens se mesclam bem.

Vou deixar o trailer aqui pra quem não conhece o filme. Acho que é um bom momento para assisti-lo. Embora – pelo menos no meu círculo de convivência – parece reinar um clima de desilusão nessas eleições, um desânimo geral, uma falta de esperança, temos alguns episódios na história que nos lembram que as coisas podem mudar e ser diferentes. Fica a recomendação!

Em cartaz #17: Os meus cartazes!

Pois é, hoje quem está em cartaz aqui são os meus próprios! <3
Sinto que nunca cheguei a comentar realmente sobre meus próprios posteres e já que é algo que gosto tanto, resolvi fazer esse tour pra mostrar pra vocês!

Não comentei um por um porque senão o vídeo ficaria gigantesco e também porque não tenho histórias espetaculares sobre eles, mas qualquer dúvida que vocês tiverem, é só perguntar. Enfim, não é nada de espetacular de forma geral. Não sou uma super decoradora e também não tenho rios de dinheiro pra gastar com isso, mas eles são especiais pra mim!

Dicas e sugestões também são super bem vindas, vocês já sabem! (: