Figurino #4: Matilda

 photo matilda 2_zpshjhut5bp.jpg

Essa não é a primeira vez que Matilda aparece por aqui. Ela é a protagonista do filme Léon, the Professional e eu já declarei todo o meu amor por ele aqui.

Além da história, que é boa demais, foi meio impossível para mim não reparar no figurino de Matilda. Primeiro porque geralmente é o tipo de coisa que eu costumo reparar mesmo. Segundo porque é difícil não notar as combinações que ela usa quando você foi uma criança nos anos 90!

Como esquecer os shortinhos jeans de cintura alta? Os chokers? As roupas de crochê?

 photo matilda 8_zpsvbtplbbj.jpg

 photo matilda 6_zpsaa6gaqf0.jpg

 photo matilda 7_zpsniqsqtio.jpg

 photo matilda 11_zpszqb4kiw8.jpg

Na história, Matilda é obrigada a fugir de casa com o vizinho e novo amigo, León. Apesar de criança, ela se vê de repente envolvida numa confusão que a obriga a ter uma certa maturidade e a fazer coisas que provavelmente não devia, como ser parceira de um matador de aluguel.

O figurino, pra mim, foi bem mais do que apenas conjuntinhos legais e notei que ele foi um elemento importante para ajudar a contar a história de diferentes maneiras.

A primeira tem a ver com seu próprio estilo. Matilda tem certos itens que são inseparáveis dela, como o colarzinho tipo choker, a bota e o cardigã que parece de crochê. Tudo com muita cor e muita textura. Mas isso, além de ajudar a compor o estilo da personagem, tem a ver também com a própria situação em que ela está.

Com a fuga repentina de casa, Matilda acaba passando uma boa parte do filme usando as mesmas roupas, variando muito pouco entre as poucas coisas que ela conseguiu pegar em casa. Essas peças, como o casaco, permanecem com ela até as cenas finais do filme, e de certa forma simbolizam suas raízes, um certo vínculo que permaneceu com sua casa e sua família, apesar de não estar mais com eles. Ou seja, acaba sendo uma conexão com seu passado.

Por outro lado, longe de casa, Matilda passa a trabalhar com León e, de uma maneira até engraçada, ela passa a se vestir como ele. Usa uma touquinha de crochê e um óculos tipo John Lennon quando estão em ação e uma camiseta branca como a de León quando fazem faxina e exercícios em casa. Uma atitude bem própria de criança, vestir roupas de adulto para brincar (eu fazia isso demais com as roupas da minha mãe!), só que com uma finalidade nada divertida nesse caso.

 photo matilda 14_zps6n5s2fj1.jpg

 photo matilda 3_zpsrcbqvtv6.jpg

 photo matilda 4_zpszwlyxfar.jpg

 photo matilda 13_zpsqlkelzrc.jpg

 photo matilda 1_zps2om2chys.jpg

 photo matilda 12_zpsowoczjjs.jpg

Bom, essas são algumas impressões e sensações que me passaram quando comecei a prestar atenção no que os personagens vestiam no filme. A costume designer do filme se chama Magali Guidasci e, claro, não faço a menor ideia do que ela pensou para compor o figurino, embora eu gostaria muito de saber.

Apesar de já ter alguma experiência com curtas-metragens, na hora da ação, sempre me esqueço que essa parte do figurino é mais complexa do que parece e essas análises sempre ajudam a pensar em referências e também na importância que as roupas e os adereços podem ter dentro de um filme.

E, ah, gosto demais desse filme, gente! Se não conhecem a história de León e Matilda, fazfavor! <3

Em cartaz #29: León, The Professional

Para começar o ano bem, o primeiro post de 2015 vai ser sobre um dos melhores filmes que assisti nos últimos tempos. Com certeza é também um daqueles que estavam na minha lista esperando há muito para para ser escolhido. Vários de vocês já comentaram sobre ele por aqui e eu deveria ter assistido antes!

 photo leon1_zps656f69df.jpg

León, León: The Professional, O Profissional são algumas variações do título desse filme belíssimo do Luc Besson, lançado em 1994.

Ele conta a história do encontro entre León e Matilda. Ele, um assassino profissional, impecável no trabalho que faz, quase um mágico, tamanha destreza e habilidade para matar pessoas. Ela, uma garota de 12 anos, que mora com o pai, o irmão, a madrasta e sua meia-irmã. Uma família problemática, para dizer o mínimo.

Um dia, toda sua família acaba sendo assassinada devido ao envolvimento do pai com o tráfico de drogas. Matilda se safou porque havia ido ao mercado comprar coisas para casa e também um litro de leite para seu vizinho, León. Ao voltar e ser surpreendida com a situação, ela não tem onde procurar abrigo, a não ser com León. Os dois não são íntimos, mal se conhecem e, relutantemente, ele aceita ficar com ela por um tempo. E ela está decidida a aprender o ofício de León, para vingar a morte de seu irmão, o único com que ela realmente se importava.

 photo leon7_zps8ab43294.jpg

 photo leon6_zps3e49df07.jpg

 photo leon4_zps13b509d6.jpg

Confesso que não fiquei muito empolgada com os cartazes. Os originais mais divulgados por aí (os dois primeiros) tem bastante cara de cartaz de filme de ação dos anos 90 e não são lá muito atraentes. Mas existem vários trabalhos legais feitos por fãs e também versões de outros países mais interessantes.

Mas os motivos pelos quais eu gostei do filme são muitos. Então, vamos lá.

Primeiro: acho que todos aí conseguem identificar que é a Natalie Portman nos cartazes, certo? Na época, ela tinha entre 12 e 14 anos (não sei ao certo quanto tempo durou a produção do filme) e este foi seu primeiro longa-metragem. Gente, não tem outra forma de dizer isso, ela simplesmente samba na cara de todo mundo nesse filme. Essa mulher nasceu pra atuar mesmo, não tem jeito!

O filme não é delicado, não tem temas delicados e Matilda é uma personagem sofrida e forte, que lida com o amor e a morte de formas intensas. Foi uma estreia poderosa para uma pessoa tão jovem, sem dúvidas. (Encontrei no youtube o vídeo com o teste da Natalie para o filme, vale a pena assistir!)

Vi uma entrevista em que Natalie conta como foi dureza os pais a deixarem atuar no filme. Claro, não deve ser exatamente a personagem que os pais sonham para suas filhas de 12 anos. Parece que eles colocaram várias condições para que ela pudesse participar e Luc Besson acatou. Por exemplo, Natalie conta que eles pediram que ela aparecesse com cigarro apenas 5 vezes durante o filme todo e que nunca deveria tragar. Algumas cenas com conotações sexuais também foram retiradas do roteiro.

Fico feliz que Besson tenha aceitado, de outra forma pode ser que Natalie não tivesse uma estreia tão boa no cinema (mentira, ela teria sim!). E enfim, acho que o filme está no ponto certo. Talvez se tivesse sido mais explícito, seria no mínimo estranho e desconcertante.

 photo leon2_zps2b971d62.jpg

 photo leon3_zps9c156070.jpg

Eu adoro filmes em que há personagens principais crianças, mas que não sejam para crianças, e sim sobre elas e esse é mais um motivo que me fez gostar de León. Ele é assim e conquistou meu coração logo nos primeiros minutos.

Ao mesmo tempo que notamos como a garotinha é forte, ao longo do filme vai se aflorando por trás de toda aquela carcaça de matador profissional, o lado mais sensível e doce de León. Acima de tudo, acho que esse encontro inesperado e a forma como a relação deles se desenvolve é o que mais me fez gostar do filme.

 photo leon5_zps37f2d8cd.jpg

Se você não assistiu, fica a recomendação, a primeira do ano! Para quem tem curtido essa vibe anos 90 também indico muito o filme. A direção de arte é excelente e Matilda é uma garotinha com muito estilo.

Me lembro que muitos de vocês já citaram o filme nos comentários, então quero saber o que vocês acharam! Me contem aí!

Os cartazes são do site the image kids has it.

Filmes da semana #7: especial Natalie Portman!

Acredito nunca ter mencionado isso por aqui, mas Natalie Portman é uma das minha atrizes preferidas. E isso é uma daquelas coisas sem explicação, acho que ela é uma excelente atriz e uma das mais bonitas de toda Hollywood.

Teve uma época que resolvi assistir todos os filmes com ela. Claro que não consegui, são muitos! Aos 33 anos, ela já atuou em 31 filmes e já ganhou vários prêmios. Pra quem não sabe, ela é israelense, mas mora nos EUA desde muito pequena e começou a atuar aos 12 anos. Além de tudo isso que já falei, ela também é formada em psicologia e tem um filho (e fofoca: já namorou Gael Garcia Bernal! :O).

Eu realmente acho incrível como ela consegue encarnar personagens tão diferentes, mudar o cabelo, emagrecer, engordar e se transformar em outra pessoa. Então, aqui vão minhas dicas de filmes com a Natalie – os que mais me marcaram – alguns mais conhecidos, alguns menos. E se você conhece outro que não está nessa lista, não esquece de me contar!

Cisne Negro (Darren Aronofsky, 2010) – trailer

 photo cisne-negro-4_zpscd01c032.jpg

Começando pelo óbvio. Talvez essa seja uma das atuações mais impressionantes de Natalie Portman e eu realmente fico muito feliz de poder ter assistido esse filme no cinema. É muito impactante e assustadoramente lindo.

Natalie interpreta Nina Sayers, bailarina de destaque em NY. Ela acaba entrando em uma competição silenciosa com uma nova bailarina do grupo, Lily, para o papel principal da peça Lago dos Cisnes. O filme é, na verdade, um thriller psicológico simplesmente maravilhoso. Está, certamente, no top dos melhores filmes da minha vida. Impressionante atuação da Natalie e Darren Aronofsky sambando na cara das pessoas nessa direção. Acho um filme impecável na técnica, atuação, músicas, tudo!

V de Vingança (V for Vendetta, James McTeigue, 2005) – trailer

 photo 361-VdeVinganccedila_zpsccde606f.jpg

Outro filme bastante conhecido, mas talvez não pela Natalie. Ela faz o papel de Evey, que vive numa Inglaterra do futuro, onde está em vigor um regime totalitário. Um dia, ela é salva por mascarado conhecido como V. Este homem misterioso tem nas veias a revolução, o ódio contra o sistema, e seu plano é destruir as Casas do Parlamento. Ele convoca seus conterrâneos a encontrá-lo no dia 5 de novembro em frente a este prédio que ele promete destruir. Evey acaba se envolvendo com V e na tentativa de descobrir mais sobre ele, acaba descobrindo qual é seu próprio papel na revolução.

Já assisti esse filme mais de uma vez e gosto bastante. Coloca a gente pra pensar sobre nosso sistema econômico e governamental. Não, a máscara do Guy Fawkes não é a solução dos problemas. Mas se ninguém pensa sobre eles, a solução nunca aparece.

Hora de Voltar (Garden State, Zach Braff, 2004) – trailer

 photo fhd004GRN_Natalie_Portman_035_zps477bb2e9.jpg

Andrew, um melancólico aspirante a ator viciado em lítio que vive em Los Angeles, se vê obrigado a voltar à sua casa em Garden State depois da morte de sua mãe. Retornar depois de tanto tempo, nesse caso, 9 anos, não é uma coisa fácil. Nesse processo de reencontrar e de ter lidar com o passado, Andrew conhece Sam – interpretada por Natalie – uma mentirosa compulsiva e cheia de vida.

Esse é um daqueles filmes de sinopse pequena, mas que falam muita coisa pra gente, sabe? É divertido e um pouco triste. Tem tempo que assisti, mas lembro que me fez pensar muito sobre minha relação com meus amigos.

Hotel Chevalier (Wes Anderson, 2007)

 photo Hotel-Chevalier-Natalie-Portman-3_zps54bf3c97.jpg

Hotel Chevalier é na verdade um curta-metragem dirigido pelo Wes Anderson que foi lançado como prólogo do filme A Viagem para Darjeeling. Ele está completo no youtube e tem só 13 minutos.

É um curta um tanto enigmático. Jack Whitman (Jason Schwartzman) está hospedado em um hotel e recebe a visita surpresa de uma mulher. No meio do jantar, nesse encontro misterioso, começamos a perceber os altos e baixos do relacionamento dos dois. Simples assim, mas nem tanto.

Hesher (Spencer Susser, 2011) – trailer

 photo Hesher-natalie-portman-25084506-900-600_zpsde872e15.jpg

Sinto que esse é um daqueles filmes que ou as pessoas amam ou odeiam. Eu amo, mas confesso que comecei não gostando até entender qual era a do filme.

O menino TJ perde a mãe e ele e o pai vão viver com a avó. A vida dos dois está completamente abalada quando aparece Hesher (Joseph Gordon-Levitt) para piorar tudo. Ele é um cara from hell que odeia todo mundo, gosta de quebrar e botar fogo nas coisas e resolver os problemas da maneira que acha mais interessante. Nesse meio tempo em que não consegue se livrar de Hesher, TJ acaba com uma paixonite por Nicole (Natalie), uma moça simples, caixa de supermercado.

A vida dos três acaba dando um nó e o filme se transforma num puta drama com um final que eu não esperava. Achei ele muito honesto e muito sensível. Comecei o filme nada simpática e terminei emocionada!

Closer (Mike Nichols, 2004) – trailer

 photo natalie-closer-_zps5be5726a.jpg

Bom, o que dizer desse filme? Fiquei pensando muito em como contar o que ele é, mas não consegui, então copiei a sinopse do Filmow: Uma inteligente, romântica e muito perigosa história de amor sobre encontros inesperados, atrações instantâneas e traições casuais. Uma visão sobre quatro estranhos – Julia Roberts, Jude Law, Natalie Portman e Clive Owen – com uma coisa em comum: eles mesmos.

Tenho uma relação estranha com Closer. Assisti várias vezes, em diferentes momentos da minha vida e em cada um deles tive uma percepção diferente da história. É um filme quase impossível de não fazer qualquer relação com qualquer situação amorosa que você já tenha vivido.

E é um espetáculo de atuação, né gente? Se não assistiu ainda, tá na hora!

Sexo Sem Compromisso (No Strings Attached, Ivan Reitman, 2011) – trailer

 photo nostrings_zps2c1e58c9.jpg

Confesso que não estou na vibe de comédia romântica há muito tempo e esse filme especificamente assisti na época em que eu queria ver todos com a Natalie.

Ela faz o papel  de Emma, uma médica que, na tentativa de ajudar Adam (Ashton Kutcher) a se recuperar do fim de um namoro, acaba se envolvendo com ele. Mas Emma não quer ter um relacionamento sério e eles combinam de se encontrarem apenas com objetivo do sexo. Bem clichê, vocês já podem adivinhar o final.

Mas é relax e engraçado. É também diferente ver a Natalie fazer o papel de uma médica que é nada profundo em comparação com os outros que indiquei até agora.

A Loja Mágica de Brinquedos (Mr. Magorium’s Wonder Emporium, Zach Helm, 2007) – trailer

 photo url_zps7049105f.jpg

A jovem Molly Mahoney recebe a incumbência de gerenciar a loja mágica do Sr. Magorium, um senhor de 243 anos que está indo embora da cidade. A loja de brinquedos é encantada e tudo lá tem vida própria. Porém, um dia, o contador Henry Wetson aparece para fazer uma auditoria em todos os brinquedos e depois disso misteriosamente a loja perde seu encantamento. Molly e Henry tem, então, que tentar recuperar a magia  do local.

Um filme leve e divertido e possível de ser assistido por crianças, diferente dos outros que apareceram antes. Eu desconhecia completamente a existência dele filme e só o encontrei nessa minha empreitada de assistir a filmografia da Natalie. Eu particularmente gosto desse tipo de filme, muito colorido e muito fantasioso. Uma versão bem modesta de A Fantástica Fábrica de Chocolates!

***

Ufa, acho que foi uma das maiores listas que fiz no blog até hoje! Espero que gostem das dicas!

E me contem aí, o que tem assistido de bom?