Filmes da semana #12: para assistir no inverno (de novo)

filmes da semana

Eu sei que o inverno ainda não chegou, mas o frio já! E nesse clima em que nossos corpos querem se fundir ao colchão e ao cobertor, um filme sempre cai bem. Já tinha feito uma lista dessa no ano passado, mas resolvi fazer uma segunda versão com o que assisti mais recentemente. Tem pra todos os gostos e humores!

*

Túmulo dos Vagalumes (Isao Takahata, 1988)

Dois irmãos, Setsuko e Seita, acabam ficando sozinhos no Japão durante a Segunda Guerra. Sem nada, os dois começam uma jornada de sobrevivência no país devastado, onde todos os outros lutam pra conseguir sobreviver também.

O filme é do Studio Ghibli, então podem esperar coisa boa, certo? Talvez seja um dos meus favoritos e também um dos filmes mais bonitos do Studio. E só digo uma coisa: preparem os lencinhos porque não é um filme fácil!

*

Procura-se um amigo para o final do mundo (Lorene Scafaria, 2012)

Um meteoro está vindo na direção da Terra e não há nada o que se possa fazer. Diante dessa notícia, as pessoas começam a perder o controle, uns querem quebrar tudo, outros querem continuar vivendo como se nada estivesse acontecendo. Nesse clima, dois vizinhos acabam se conhecendo. Sozinhos, eles resolvem sair juntos para tentar dar algum sentido para esses últimos dias de existência.

Me lembro que escolhi assistir a esse filme por causa do combo fim do mundo + Steve Carrell. Histórias sobre o fim do mundo sempre rendem e gosto muito do Steve Carrell, é um dos meus atores de comédia preferidos, só que eu nunca quero assistir nada com a Keira Knightley (não sei, gente, não vou com a cara mesmo!). Mas resolvi arriscar e me surpreendi. Gostei bastante e sempre que posso indico porque não é um filme bobo e repetitivo.

*

The Babadook (Jennifer Kent, 2014)

Amelia é uma mulher que ficou atormentada depois da morte do marido. Junto com isso, ela tem que lidar com seu filho Samuel que tem comportamentos estranhos, é violento e gosta de brincar com armas. Um dia, o menino encontra um livro na estante, chamado O Babadook, e pede para que Amelia leia para ele. Depois disso, Samuel fica convencido de que tem um monstro os perseguindo.

Eu não poderia deixar de colocar um suspense aqui (é tão mais fácil cobrir os olhos quando já se está debaixo da coberta, hahaha). Acho que gostei do filme porque ele combina um monte de coisas que já aconteceram com a gente, tipo acreditar em monstros, cismar que tem alguma coisa dentro de casa que a gente não está vendo ou fazer a brincadeira da loira no banheiro, sabe? Fora que as atuações são uma coisa de louco, esse menino Samuel é impressionante! A gente até esquece que ele é um personagem, de tão convincentemente insuportável que ele é!

*

Under the Skin (Johathan Glazer, 2014)

Uma mulher misteriosa anda pelas ruas de Glasglow seduzindo homens solitários que encontra pela rua. E o que ela faz com eles é algo ainda mais misterioso. Nesse processo, ela acaba descobrindo quem ela é e o que está fazendo ali.

A sinopse é meio atravessada assim mesmo, porque esse é um filme bem difícil de explicar sem entregar as informações que vamos descobrindo ao longo da narrativa. Ele é considerado uma ficção científica e o mais interessante pra mim foi que ele nos dá o outro lado da história. Geralmente nos sci-fi, a gente fica “do lado” dos humanos, que sofrem as influências/consequências do que está acontecendo. Nesse filme, isso inverte um pouco e acompanhamos o processo de auto-descobrimento da “criatura”. E é com a bonita da Scarlett Johansson!

*

A culpa é do Fidel! (Julie Gavras, 2006)

Anna é uma menina que leva uma vida boa com seu irmãozinho na França, na década de 70. Tudo muda depois que seus pais voltam do Chile, logo após a eleição de Salvador Allende. Eles se vestem diferente, trocam de casa, estão engajados politicamente e se reúnem com amigos em casa discutindo sobre o comunismo e a situação política do país. Anna fica perdida, tentando entender as mudanças.

Acho que esse é um filme excelente tanto para se ter uma certa visão sobre as famílias engajadas politicamente na França nessa época, como pra pensar como uma criança fica no meio disso tudo. Como fazer uma criança entender os conflitos políticos e explicar que a vida dela terá que mudar? É um filme muito bonito, principalmente porque é narrado do ponto de vista de Anna, então tem uma certa leveza e humor próprio da visão de uma criança sobre a situação, apesar de ser um drama complicado.

*

Por hoje, é isso tudo, gente! E vocês, tem indicações de filmes pra assistir nesses dias friozinhos? O que tem visto de bom?

Filmes da semana #6: para assistir no inverno!

Tem coisa melhor do que enfiar debaixo das cobertas para assistir filmes num dia frio? Quem sabe só se acrescentar a isso uma lareira, chocolate, bons vinhos e boa companhia, haha! Mas eu moro num apartamento pequeno em Juiz de Fora e não num chalé quentinho em Ibitipoca e sei que muitas pessoas já estão sentindo o impacto do inverno também, que parece que chegou meio atrasado por aqui. Mas chegou.

A lista era pra ser, na verdade, dicas de filmes variados. Mas aconteceu que com esse tema só me vieram na cabeça filmes que se passam em lugares gelados, com neve, etc. Enfim, não sei se para o inverno isso vai ajudar ou não, haha! Depois vocês me contam!

Groundhog Day (Harold Ramis, 1993)

Phil Connors é um jornalista “homem do tempo” arrogante e viaja com sua equipe para cobrir o evento Groundhog Day na cidade de Punxsutawney, nos EUA. Na manhã seguinte, ele levanta para voltar pra casa, mas percebe que tudo o que aconteceu no dia anterior estava se repetindo. Ele entra num time loop e aquele dia se repete sem parar.

A sinopse por si só já é divertida e quando vi que Bill Murray estava no elenco, me empolguei. Tem dia que a gente só quer rir um pouco e esse filme é perfeito pra esses momentos. Então, se você está procurando uma comédia levinha, super recomendo! Fiquei sabendo depois que ele já passou nessas sessões da tarde da vida, mas nunca cheguei a assisti-lo. (O título em português é Feitiço do Tempo, mas me recuso a colocá-lo ali. Que título horroroso!)

 A menina do outro lado da rua (The girl who lives down the lane, Nicolas Gessner, 1976)

Rynn Jacobs é uma menina de 13 anos que mora com o pai em uma pequena cidade em Long Island. O problema é que Rynn está sempre sozinha. Seu pai nunca está em casa ou nunca pode atender os vizinhos e a situação começa a ficar meio misteriosa. A menina passa a ser vigiada e perseguida pela família que vendeu a casa para eles, a Sra. Hallet e seu filho Frank, que tem fama de pedófilo na cidade. Ao mesmo tempo, Rynn fica amiga e divide seus segredos com Mario, um adolescente da cidade.

Esse filme já apareceu aqui no blog. Mas resolvi indicá-lo novamente porque foi um desses que escolhi pelo título e acabei me surpreendendo. É um suspense muito bom de assistir guiado pela Jodie Foster com 14 anos! A atuação dela é impressionante! Jodie arrasava desde pequena!

A mulher de preto (The woman in black, James Watkins, 2012)

Arthur Kipps é um advogado que viaja para o interior da Inglaterra para cuidar dos papeis de um cliente falecido. Arthur se hospeda na casa vazia de seu cliente. Ela fica isolada, longe do vilarejo. Com o passar dos dias coisas estranhas começam a acontecer. O misterioso passado daquela casa vai se revelando junto com a mulher de preto, um espírito que ronda o lugar.

Se você está procurando um filme de terror apenas para se assustar, essa é a pedida. Bem clichê, vazio de conteúdo, mas cumpre muito bem sua função de nos deixar tensos, haha! Assisti esse filme com minha irmã e minha mãe num dia a noite e foi muito divertido, apesar da história não ser muito emocionante.

Só tomem cuidado porque acabei de descobrir que tem uma versão de 1989. Dei uma olhada nas cenas e pareceu muito trash! A história é baseada no livro homônimo de Susan Hill, que provavelmente deve ser uma leitura interessante.

Deixa ela entrar (Låt Den Rätte Komma In, Thomas Alfredson, 2008)

Oskar é um menino atormentado pelos colegas na escola. Sempre brincando sozinho, um dia ele conhece Eli, uma garota interessante e peculiar. Ela não come e não sai no sol. Alguns ataques violentos começam a acontecer na cidade (Estocolmo) ao mesmo tempo que Oskar descobre que Eli é um vampiro.

Confesso que depois de Crepúsculo fiquei muito arredia com filmes envolvendo vampiros, haha. Mas Deixa ela entrar é um suspense excelente. Muito calmo, apesar de violento. Tem sangue e coisas assim, acho bom que fique avisado. Mas gostei muito pelo fato de ser um filme sueco – eu, particularmente, não tenho contato com o cinema de lá – e porque os personagens principais são duas crianças. Esse não é um filme para crianças e exatamente por isso é muito impressionante que eles consigam guiar uma história que é tão pesada.

Só para variar, porque eles não podem assistir a filmes estrangeiros né, tem uma versão norte-americana de 2010. Não sei como é, mas recomendo que assistam a versão original primeiro.

Paixão à flor da pele (Wicker Park, 2004) https://www.youtube.com/watch?v=jIK9ps9D2Y8

Matthew e Lisa se conhecem meio sem querer e acabam se apaixonando. Eles estão vivendo um relacionamento super intenso e repentino. Mas, um dia, Lisa desaparece sem explicação e sem deixar pistas. Dois anos depois, Matt, agora um empresário, pensa ter visto Lisa durante uma reunião de negócios em um bar. Isso acaba reavivando nele a obsessão de reencontrá-la.

Para os pombinhos de plantão, não tem só mistério e suspense nessa lista, tem amor também, haha! Sinceramente, não sei explicar bem porque gosto desse filme. Se não me engano, assisti assim que lançou, então eu era bem mais nova. É um romance, mas que envolve um pouco de mistério sim. Acho que o me marcou é o fato de que ele não é linear. A história é contada por flashbacks, então temos que ir montando o quebra-cabeça sobre o que aconteceu com Lisa junto com o personagem. Enfim, é mais complexo e tem Coldplay na trilha, o que ajuda o filme ficar super romântico!

***

E vocês, o que tem assistido? Recomendações de filmes pra ver embaixo das cobertas também? Me contem!