Filmes da semana #11

filmes da semana

Halloween (John Carpenter, 1978)

Na semana do Halloween, decidi assistir com minha irmã esse super clássico do terror. Eu já conhecia a fama e já conhecia até o personagem, que usa aquela máscara medonha branca, mas não sabia nada sobre a história do filme.

Michael Meyers é um psicopata que fugiu da instituição em que estava internado. Ele roubou um carro e foi para a cidade onde morava quando criança. Há 15 anos, ele havia matado sua própria irmã e resolveu voltar ao lugar para retomar seu terrorismo, exatamente no dia 31 de outubro.

É um filme de terror da década de 70, então tem todos aqueles clichês e estética que os filmes da época tinham. Carpenter foi muito bem sucedido em criar aquele clima de suspense perfeito que nos faz levar susto no final ou então que nos deixa com raiva das personagens porque como elas podem ser tão estúpidas e fazer exatamente aquilo que vai levá-las em direção a morte, hahaha.

Recomendo demais tanto para quem gosta e quem não gosta de filmes de terror.. É um clássico e é bem light. Não nem nada de tão horrível ou nojento nele, podem confiar.

 *

 Scoop (Woody Allen, 2006)

O que pode dar errado quando se escolhe assistir qualquer filme do Woody Allen? Até hoje, comigo, nada. Scoop fez algumas horas de um final de semana passado mais divertidas e eu fico cada vez mais impressionada com a capacidade de escrever bons diálogos que o Woody Allen tem.

Sondra, uma estudante de jornalismo, acaba descobrindo um furo de reportagem sobre a morte recente de um jornalista que poderia mudar sua carreira. Como ela descobriu? Ela estava participando de um truque em um show de mágica quando o próprio fantasma do jornalista apareceu e conversou com ela.

Além de todo o bom humor, o que mais me fez gostar do filme foi como ele conseguiu misturar as situações fantásticas e paranormais com todo o resto. E o filme não é sobre fantasmas nem nada do tipo, é sobre o tal furo de reportagem. Mas todos os elementos ficam muito bem balanceados e minha atenção sobre a história não foi desviada por causa do acontecimento de algo surreal. Imagino que não seja nada fácil escrever um filme assim.

 *

 A Bela Junie (La Belle Personne, Christophe Honoré, 2008)

Digamos que se você gosta de filmes francês ou do Louis Garrel ou da Léa Seydoux, esse filme é quase uma obrigação.

Uma garota nova chega na escola. Todos querem sair com ela, mas ela escolhe o mais tímido de todos. Além disso, acaba se envolvendo com um professor. Essa história não é novidade. Existem vários filmes com a temática parecida e minhas palavras não fazem jus ao que é o filme de fato.

Foi interessante porque depois de assistir Palo Alto, eu acabei lembrando de La Belle Personne. Acho que são bem parecidos, se passam no mesmo ambiente, rodeiam os mesmos assuntos que envolvem a adolescência, os problemas amorosos, o relacionamento com um professor, mas, claro, de jeitos muito diferentes.

La Belle Personne tem aquele quê de filme francês, meio silencioso, meio poesia, revela informações pouco a pouco e oferece uma grande abertura de sentido. Bonito demais e gostoso de assistir.

*

Esses foram alguns dos filmes legais que assisti nas últimas semanas. E vocês, o que tem visto de bom?

Bom final de semana, gente!

Em cartaz #23: O Exorcista

Quando eu era mais nova, ou quando eu comecei a ir nas locadoras sozinha, eu basicamente assistia três tipos de filmes: desenhos animados, comédias românticas e terror/suspense. Eu me lembro que meu pai não gostava muito que alugasse os de terror e ficava selecionando qual eu poderia ver ou não, com toda razão, né?

Mas tem certos filmes que são muito bambambans, a gente acaba ouvindo falar deles e querendo assistir. Foi assim com O Exorcista. Eu sempre ouvia falar dele como o melhor filme de terror, horrível, muito assustador, nojento, etc… e claro, eu no auge da adolescência, queria assistir. E óbvio, morri de medo, fiquei super assustada, mas, por causa do auge da adolescência, super me fazia de durona, ria do filme, ficava rindo do vômito verde, etc, hahaha, só que por dentro…

E, só pra completar, eu descobri na biblioteca da escola o livro homônimo que inspirou o filme escrito por William Peter Blatty. Eu era ratinha da biblioteca e fuçava em todas as prateleiras. Me lembro que ele estava num cantinho bem escondido e quando levei pra bibliotecária – tia Maria Inês, saudades! – ela não queria deixar eu levar de jeito nenhum, haha! Brigou comigo e tudo, mas no final acabei levando.

Depois, acabei encontrando o  livro num sebo. Também estava jogado num cantinho, todo amassado. Acho que as pessoas não tem muita simpatia pela história, né? Não estava em boas condições, como vocês podem ver. Mas o ex-dono deixou uma assinatura na contracapa e o livro é de 74, apenas um ano depois do lançamento do filme e já era a sexta edição. Sucesso total.

 photo IMG_85912_zpscd74c813.jpg

Bom, lembrei dessa parte da história da minha vida com o cinema e resolvi trazer os cartazes do filme aqui para o blog.

 photo exorcist_zps0817f009.jpg

 photo exorcist_ver2_zpsc32414e2.jpg

 photo exorcist_ver3_zpsc447b159.jpg

Se você nunca assistiu e não conhece a história, O Exorcista é um filme de 1973, com o roteiro escrito pelo próprio William Peter Blatty e dirigido por William Friedkin.

Tudo se passa em Georgetown. Chris McNeil é uma atriz e está participando de uma filmagem na cidade. Ela tem uma filha de 12 anos, Regan. Depois de brincarem com uma mesa Ouija, coisas estranhas começam a acontecer com a menina. Ela tem convulsões, fica violenta, diz coisas sentido e reclama que sua cama se movimenta sozinha. Percebendo que a coisa parece séria, Chris a leva no médico, mas ninguém consegue descobrir o que Regan tem. A situação piora quando a menina começa a demonstrar poderes sobrenaturais, troca de voz, adquire muita força e faz movimentos absurdos com o corpo. Chris percebe que aquela não é sua filha e, notando que o buraco é mais embaixo e que os médicos não podiam fazer mais nada, ela vai até a igreja procurar ajuda com o padre Karras, que é também psiquiatra. Decidindo por fazer um exorcismo, ele chama às pressas o padre Merrin, um exorcista experiente para ajudar.

A cena que está nesses primeiros cartazes é a chegada no padre Merrin na casa de Chris. É interessante notar que, apesar da história ter como foco Regan e sua transformação, o livro e o filme se chamam O Exorcista, então, para mim, esses cartazes fazem todo o sentido. O primeiro é meu preferido.

 photo ex2_zpsb268fccb.jpg

 photo ex3_zpsaa891808.jpg

Nessa minha pesquisa de cartazes – já estou no 23º post! – tenho notado que quanto mais antigo o filme, mas opções de cartazes existiam. Artistas do próprio país os desenhavam e isso é muito interessante porque eles ficam, digamos, personalizados culturalmente. Hoje em dia tudo parece meio padronizado, né? Mudam só o título para a língua do país em que vai ser exibido, as vezes mudam alguma cor, a posição dos elementos, mas no fundo são todos muito parecidos.

Sempre comento como os da Polônia são totalmente diferentes dos outros e, de fato, são. O polonês da vez é esse vermelho aqui embaixo. É bem louco, não consigo imaginar o porquê da referência da cobra ali. Talvez esteja esquecendo de algum detalhe da história, mas, sem dúvidas, destoa dos outros. Ali em cima eles são, na ordem, do Japão, Suécia, Turquia e Austrália. Gostei muito do japonês. A referência à janela foi uma excelente ideia. Não vou contar o que acontece nela, mas enfim, ficou ótimo, bem instigante.

 photo ex1_zps29534669.jpg

Eu sei que não é um filme muito agradável e confesso que não faz muito mais meu estilo hoje em dia. Gosto de assistir terror/suspense mais pra me divertir com os amigos ou com minha mãe e irmã, haha. Mas se eu estou em casa sem ideias do que assistir, filmes de terror não são mais minha primeira escolha.

De qualquer forma, O Exorcista me marcou bastante e, com certeza, a vida de muita gente. Ele foi um fenômeno na época do lançamento. Assisti um documentário sobre isso e vou colocar em breve nos ‘Filmes da Semana’. Pra década de 70, fico bem impressionada com os efeitos especiais do filme também. E, claro, são espetaculares a atuação e caracterização de Linda Blair, que era realmente uma criança naquela época. É impressionante a maneira como ela incorpora o personagem. Como transformar uma criança fofinha em um demônio? Não deve ter sido nada fácil. Tem muitos vídeos de making of no youtube. Se vocês gostam, vale a pena procurar!

Então, me contem, vocês já assistiram O Exorcista? Como é a relação de vocês com filmes de terror? A maioria das pessoas que eu conheço não gosta!

Beijinhos e boa semana, gente!

* Os cartazes são dos sites MoviePosterDB e IMP Awards.