Sobre franjas

Esse post é bem aleatório, mas é só pra contar que eu estou: com saudades da minha franja curta. Eu passei longos anos usando franjinha e sempre gostei, acho que combinam comigo. E elas são bem democráticas, ficam boas em cabelos lisos e cacheados. Mas desde que cortei curtinho, isso mudou.

Quer dizer, com o pixie a franja ainda existe, mas como o cabelo está curto é como se ele todo fosse… franja. Ela já não existe como uma parte especial do cabelo. Entendem? Ou não? Enfim. Daí que eu estou sentido falta e resolvi compartilhar com vocês as donas das franjas mais bonitas da minha vida.

A primeira, sem dúvidas, Anna Karina, minha musa número 1. Ícone dos anos 60 e que usa franjinha até hoje! Pode ser comprida, por ser curta, não importa, todas caem bem pra ela. A segunda, outro rosto conhecido da década de 60, Jane Birkin. E a última, mais contemporânea, a bonita Felicity Jones.

 photo fp9shhru2uhgghu - Copy_zps9t6h72fd.jpg

 photo fournol-luc-anna-karina-1964_zpsslq1ta8x.jpg

 photo janebirkin_zpsa95utvgt.jpeg

 photo felicity-jones_zpsg5ytxtb1.jpg

Essas são as três moças que me vem à mente quando penso em franjas. E olhando assim para as fotos reunidas, elas meio que se parecem… O que isso significa? Não sei.

Mas e vocês, o que acham de franjas? Tem outras musas de franjinha também?

Bons romances: Like Crazy e Breathe In

Se tem coisa que eu adoro é descobrir um filme sem querer e acabar me surpreendendo de bom que ele é.

Foi assim com o Like Crazy. Gostei tanto que resolvi assistir outro do mesmo diretor – e com a mesma atriz, Felicity Jones <3 – o Breathe In e foi tão bom quanto!

 photo like_crazy_xlg_zpsjukmnyzu.jpg

Like Crazy conta a história de Anna, uma estudante britânica que está fazendo intercâmbio nos EUA, e que acaba se apaixonando por Jacob, um colega de sala. Acontece que o visto de Anna vai expirar e ela, então, tem que voltar para a Inglaterra.

 

 photo breathe_in_xlg_zpsmdydcxwk.jpg

Em Breathe In, Felicity Jones está no mesmo papel de uma intercambista britânica, Sophie, que vai passar um tempo nos EUA. Sua host family é composta por um casal com uma filha. O pai, Keith, será o professor de música de Sophie na escola e a filha, Lauren, sua colega de turma. Sophie e Keith tem em comum o gosto pela música e aos poucos os dois vão se aproximando, dividindo seus anseios e frustrações. Só que essa relação trará algumas grandes consequências.

*

Sejamos sinceros, os temas dos dois filmes não são nada novos. Relacionamento à distância entre pessoas de países diferentes e um cara mais velho, frustrado com a vida, que se apaixona por uma menina bem mais nova, bom, acho que vemos muito disso por aí tanto no cinema quando na literatura (e na vida!).

Mas uma das coisas que mais me faz gostar de cinema é essa possibilidade de contar histórias de maneiras tão diferentes. E eu gostei muito do estilo do Drake Doremus, que é o diretor dos dois filmes.

O que mais me chamou atenção foi a crueza das cenas. As situações e os diálogos são bem secos, no sentido de que não tem rodeios, floreios e fofurices, o que acabou dando um aspecto muito natural para tudo. Eu nunca vivi nenhuma dessas situações, mas os filmes me fizeram sentir que, se eu vivesse, seria algo muito próximo do que ele mostrou.

Andei lendo algumas coisas sobre o diretor e descobri que ele não trabalha exaustivamente no roteiro antes de começar a gravar, então tem muitos momentos de improvisação nos filmes. Em Like Crazy senti bastante isso, principalmente nas situações de discussões e desentendimento entre eles.

São filmes de tapa na cara o tempo todo, sabe como é? Totalmente o oposto de romances mamão com açúcar. Não tem coincidências, planinhos pra se safar de alguma situação ou vilões que querem destruir a relação. É simplesmente a vida que acontece, com todos os percalços e consequências. Eu tinha até ficado na dúvida se deixava ‘romances’ mesmo no título, mas depois cheguei a conclusão de que são sim bons romances, com as coisas boas e ruins que envolvem a relação entre duas pessoas. Só não são contos de fadas, mas isso não existe, né?

Se eu fosse fazer filmes de romance algum dia, gostaria que fossem parecidos com alguns desses. Não são perfeitos, tem alguma coisa ou outra que não gostei, mas pra mim foram detalhes que não comprometem em nada todo o restante de bom que há.

Então fica aqui então minha sugestão pra vocês! Espero que tenham gostado!

P.S. Felicity Jones, sua bonita, you rock!