Filmes da semana #5

Sr. Ninguém (Mr. Nobody, Jaco Van Dormael, 2009) – trailer

 photo l_485947_f4924478_zpsfad3de21.jpgPosso considerar esse filme uma das melhores ficções científicas que assisti nos últimos tempos. Nele, acompanhamos Nemo Nobody, o último dos mortais da Terra, já muito velho e quase morrendo, numa viagem por suas memórias, tentando lembrar sua história e quem ele é. O filme é um misto de eventos que vem e voltam, que se misturam, que se ligam e desligam. Mindfuck total.

Num primeiro momento, achei que o filme exploraria a questão da existência de universos paralelos. Mas a medida que a história avançou, havia algo de mais profundo e filosófico. Não sei se ainda está bem definido pra mim, mas eu diria que tem algo da relação entre homem e existência. Como nossas memórias definem quem a gente é ou quem a gente é agora pode selecionar e rearranjar nossas memórias. E isso tudo aparece num momento bem específico que é a morte, o que dá todo um sentido para essa busca de compreensão da nossa existência.

O Anjo Exterminador (El Ángel Exterminador, Luis Buñuel, 1962) – trailer

 photo l_56732_d6f93152_zpsdb54eded.jpg

Esse é um daqueles filmes que a você ouve falar no início da faculdade, mas que fica na sua lista por muito tempo. O Anjo Exterminador sempre era citado por alguém e acho que foi por isso que assistimos recentemente.

Imagine a situação: um aristocrata resolve dar um jantar para seus amigos também aristocratas. No final da noite, ninguém consegue sair da casa. Não há absolutamente nada físico que os impeça de sair, as portas estão abertas, mas eles simplesmente não conseguem resolver esse problema de sair da casa. Esse é o filme.

Se você não está familiarizado com a filmografia dele, Luis Buñuel é um cineasta espanhol/mexicano. Ele trabalhou com Salvador Dalí, então sua obra foi muito influenciada pelo surrealismo. Mas não se engane, não é porque é surrealista que ele vai ser louco ou sem noção. Esse filme é uma super crítica a sociedade que burguesa que vai muito além dos eventos surrealistas.

Aguirre, a Cólera dos Deuses (Aguirre, der Zorn Gottes, Werner Herzog, 1972) – trailer

 photo l_68182_4e3ce7af_zps2eaa99fc.jpgWUUUTT?! Esse filme foi um dos mais surpreendentes que vi nesse ano! Claro que já tinha ouvido falar muito bem do Werner Herzog (nunca assisti outro dele ;~) e também já tinha ouvido falar no Klaus Kinski, mas meu deusssss, que atuação, que direção, que filme é esse?!

O filme é baseado na história real da expedição de conquistadores espanhóis no Peru em busca de El Dorado, uma cidade lendária de outro. Comandados por Dom Pedro de Urzúa e Dom Lope de Aguirre, após atravessarem as montanhas do Peru, o grupo ruma pelo rio Amazonas em direção ao seu destino.

Mais do que a expedição em si, Herzog soube trabalhar muito bem os efeitos psicológicos de um evento como esse. Homens e mulheres colocados em uma situação-limite, no enfrentamento com a natureza e com o desconhecido. As atuações são impressionantes. Faria xixi nas calças se o Klaus Kinski me jogasse um olhar daquele, haha!

Eu diria que é um filme viceral. As interpretações, as locações, tudo muito realista e intenso. Uma história impressionante do quão longe uma obsessão por levar um homem.

***

E vocês, o que andam assistindo? Contaí! o/