Filmes da semana #16

filmes da semana

E não é que eu andei assistindo a alguns filmes? Não tanto quanto eu gostaria, mas… De qualquer forma o final de semana tá chegando e se você tá sem ideias e querendo umas dicas de filmes pra assistir, deixo aqui minhas recomendações!

Heathers (Michael Lehmann, 1988)

 photo 10artsbeat-heathers-videoSixteenByNine600_zpsohp5vscz.jpg

Com o nome horroroso em português Atração Fatal, esse filme é tipo uma versão de Meninas Malvadas + As Patricinhas de Beverly Hills só que nos anos 80 e com mortes e crimes.

Veronica, que costumava ser uma garota “comum” na escola, acabou se envolvendo com um grupo de patricinhas comandado por uma menina chamada Heather. Vocês sabem, aquele estereótipo norte-americano das patricinhas. Percebendo que as meninas eram esnobes, que maltratavam os outros e que isso não iria lhe trazer nenhum bem, Veronica se juntou com um cara esquisitão da escola pra se vingar de todas as cool kids.

Primeiro: não fazia ideia da existência desse filme. Só assisti porque vi que a Winona Ryder tá no elenco e eu andei muito numa fase de Winona Ryder. Acabou que foi uma surpresa boa. Segundo: estamos muito acostumados com esses filmes high school, mas esse é mais pesado que o normal e eu certamente não recomendaria pra uma criança/adolescente porque, né, não queremos mortes nas escolas. Enfim, se você é fã de filmes dos anos 80 ou da Winona, vai na fé que vai ser bom.

*

O Espelho (Andrei Tarkovsky, 1975)

 photo 0.05.59_zpsrwkz0c3q.png

O Espelho (Zerkalo, no original) não é o filme mais fácil de descrever. Tudo que eu poderia contar pra vocês foi o que descobri enquanto assistia ou então que pensei só depois que ele terminou.

Ele foi escrito e dirigido pelo Tarkovsky e você provavelmente vai ler em todos os lugares que o filme é autobiográfico. Não conheço bem a vida dele pra confirmar isso e, convenhamos, essa coisa de realidade e ficção se confunde muito fácil.

Eu diria que o filme é um pouco como o retrato da vida e das memórias de um homem e também um retrato da vida na Rússia nos tempos da guerra. Não é um filme de ação, já aviso. É aquele filme pra assistir com disposição e atenção. Eu sugiro que vocês assistam ao trailer. Vocês vão entender melhor a vibe e vai ser melhor do que qualquer coisa que eu possa escrever aqui. Mas, ó, Tarkovsky é bom e bonito demais, isso não dá pra negar.

*

Ruby Sparks (Jonathan Dayton, Valerie Faris, 2012)

 photo Ruby Sparks_zpss3eye3zy.png

Calvin é um escritor que tá lutando pra escrever seu novo romance. Tentando sair desse bloqueio, ele acaba criando uma personagem, Ruby Sparks, que se transforma em sua amiga e sua namorada e eles vivem vários bons momentos juntos. Até que um dia ele percebe que não estava vivendo aquilo tudo na sua cabeça, ou no seu livro, mas que Ruby era real.

Vamos combinar que esse tema do escritor que não consegue escrever é bem clichê e tá presente em muitos filmes. Eu nem tava muito animada com Ruby Sparks, mas pensei que seria um bom filme levinho pra assistir naqueles dias de preguiça. E foi mesmo.

Acaba que o desenvolvimento do filme com esse aspecto meio mágico e surreal do surgimento da Ruby deixa tudo mais interessante e menos clichê. E sem dúvidas o filme transcende um pouco o que ele é e nos faz pensar sobre um certo tipo de relacionamento que é controlador, que é opressor, que não sabe lidar com a diferença e individualidade de cada um. É meio tentador pensar em criar alguém que vai ser e fazer exatamente o que você quer, mas se essa é uma boa ideia, é outra história.

Anúncios

Coisas aleatórias numa noite de segunda-feira

Não morri, estou bem viva e vou contar pra vocês.

1. A primeira coisa importante que tenho pra contar é sobre esse blog que agora é parceiro de duas editoras muito lindas, a Gaivota e a Biruta (vocês viram os selinhos ali do lado?). Eu realmente não estava esperando que isso pudesse acontecer e estou bem feliz! As duas publicam livros infantis e infantojuvenis, então aguardem que em breve terão resenhas e vídeos de Três razões pra ler de livros lindezas. Eu amo livros, gente, estou ansiosa já, o que mais posso dizer?

2. A segunda coisa importante é que eu sumi um pouco porque estava participando de oooutro filme. E dessa vez não estava na direção ou em nenhuma função técnica, massss resolvi me aventurar e ser atriz. Vejam vocês que reviravolta!

Eu já tinha atuado antes, só que foram coisas bem simples e secundárias. Mas pra este filme me convidaram pra ser a protagonista. Primeiramente, eu gostei muito. Foi bem divertido e o que e achava que era fácil de fazer, percebi que era difícil e vice-versa. Aprendi sobre direção mais do que nunca e acho que não vou ser mais a mesma quando tiver que dirigir um outro filme. Segundamente, posso ter estragado tudo hahaha Espero que não, amigos, vamos aguardar!

O filme não tem nome ainda, mas tem algumas fotos liberadas pela produção haha!

_MG_3415

BA3A0665

BA3A0685

IMG_3538

BA3A0853

BA3A0334

BA3A0373

BA3A0374

Meu tio | Livros & Cinema

Vou começar contando como conheci Meu tio. Foi um daqueles casos de alguém que te indica um filme – no caso minha irmã – e aí um ano depois você decide assistir. Mas antes disso, numa daquelas mega promoções da Cosac Naify, dei de cara com o livro Meu tio e pensei: olha, que legal, aquele filme que não vi foi baseado num livro. Tá barato e parece bom. Comprei.

Aí depois que descobri que o livro foi baseado no filme. Acho que é a primeira vez que leio primeiro um livro que veio depois do filme. Acho que ficou confuso, ficou? Enfim, vamos lá porque quero falar várias coisas.

meutio (2)

meutio (3)

Meu tio conta a história de Gérard Arpel, um menino de 8 anos, e suas aventuras com seu tio, o Sr. Hullot. A família Arpel era muito chique e vivia em uma casa ultra moderna projetada pelo próprio Sr. Arpel, que era dono da Usina Plastac, uma fábrica de tubos de plástico. A casa quase que fazia tudo sozinha, pra cada coisa existia um botão, portas que se abriam sozinhas, braços mecânicos pra pegar e guardar coisas, e uma fonte no formato de peixe que era o orgulho do casal. A Sra. Arpel tinha um amor incondicional pela casa e dedicava 100% do seu tempo a ela.

Apesar de todo o conforto, Gérard achava tudo meio chato, não podia brincar, não podia se sujar e tinha que seguir várias regras dentro de casa. E então acabou encontrando liberdade e diversão com seu tio, irmão de sua mãe. Sr. Hullot morava em um bairro diferente, perto de uma praça onde sempre acontecia a feira. O lugar era agitado, as pessoas conversavam na rua, os meninos brincavam e tudo parecia mais alegre e cheio de vida. Gérard era encantado por isso tudo e pelo jeito leve e despreocupado que seu tio levava a vida. Despreocupado até demais!

Meu tio Hullot me parecia, quando eu era criança, um personagem ao mesmo tempo próximo e distante, indiferente e caloroso. É difícil explicar, eu sei. (…) ele era bem alto e bem magro. Andava aos tropeços, meio curvado para a frente, e saía distribuindo cumprimentos sem motivo.

(…) Ele era perseguido por uma fatalidade que o mergulhava em todo tipo de problema. Não perdia a oportunidade de dar uma gafe, de fazer uma trapalhada, mas, pelo jeito como aceitava os golpes do acaso, impassível, impenetrável, sem nem franzir as sobrancelhas, sem reclamar, eu me perguntava de vez em quando se ele não provocava o incidente de propósito.”

meutio (5)

meutio (12)

meutio (9)

meutio (15)

Seguindo a ordem dos acontecimentos na minha vida, vou começar falando do livro. Ele foi escrito pelo Jean-Claude Carrière, um escritor e cineasta bem importante e que ainda está vivo, vale lembrar. Tem gente que acha sem graça, mas eu adoro um livro com ilustrações. Essas foram feitas pelo Pierre Étaix e só depois descobri que eram baseadas nas cenas do filme.

O que me fez gostar do livro – mais do que o filme – foi o fato de que ele é escrito em forma de uma lembrança. Gérard, já adulto, relembra as aventuras que viveu com seu tio, então ali tem um tom nostálgico e até um pouco triste que me agradou e pareceu bem perto da nossa realidade. É engraçado porque às vezes tenho a impressão de que a gente romantiza bastante nossas memórias e que provavelmente as coisas não foram assim como a gente imagina. Mas não importa. O que importa é o sentimento que ficou. Gérard tinha uma admiração enorme pelo seu tio e os lugares por onde passou com ele ficaram marcados de boas lembranças que só trazem um sentimento bom.

Acho que isso acontece com todos nós, não é mesmo?

 photo Movies-for-Members-2_Mon-Oncle_source_zpskg07jxvn.jpg

No livro, o narrador é o menino Gérard, mas no filme a perspectiva é um pouco diferente. O filme, lançado em 58, foi dirigido e protagonizado pelo próprio Jacques Tati e tem todo um quê de comédia e teatro que acho que nunca vi em outro filme. Os cenários são muito teatrais e as atuações também e acho que parte da graça está aí.

A abordagem é diferente porque não há narrador, o que vemos é a história da família Arpel e as confusões do Sr. Hullot. Então ele perde um pouco o tom mais emotivo que tem no livro, mas continua bom, pode confiar!

Acho que o filme também enfatiza mais e faz uma certa crítica às tecnologias, aos gadgets e à toda a modernização da vida das pessoas. A relação do casal Arpel com a casa é um exagero e às superficialidades das relações que eles tem com outras pessoas é muito contrastante com o que o Sr. Hullot vive no seu bairro. As poucas tentativas que a família Arpel faz de integrar o tio ao mundo deles – por exemplo, colocá-lo para trabalhar na fábrica ou tentar juntá-lo com uma vizinha – são desastrosas. Não dá, a praia do tio Hullot é outra, mas ver tudo isso acontecer no filme é bem engraçado.

 photo meutio3_zpsnr36i1gm.png

 photo meutio2_zpsrbvj767s.png

 photo meutio4_zps9vbojddx.png

Meu objetivo não é fazer uma comparação pra ficar julgando aqui, longe de mim! Tanto o filme quanto o livro são ótimos, mas, pessoalmente, eu gostei mais do livro porque mexeu também com minhas próprias lembranças. E ambos são bem universais, fazem sentido pro público mais jovem e também pros mais velhos, então todo mundo sai ganhando!

Jacques Tati e seu personagem Sr. Hullot são bem conhecidos, mas foi a primeira vez que eu assisti/li algo deles. Se vocês não conhecem também, fica a recomendação! Vou deixar um trailer pra vocês visualizarem o clima da história!

Filmes da semana #15

filmes da semana

Primeiro Filmes da semana e do ano e eu JURO que só tem indicação boa! Acho que comecei o ano com o pé direito em relação ao cinema!

E vocês (aquela pergunta básica), o que andam assistindo por aí?

*

Carol (Todd Haynes, 2015)

 photo maxresdefault_zps4siozfxm.jpg

Therese Belivet trabalha em uma loja de departamentos, no setor de brinquedos quando conhece Carol, uma mulher mais velha que havia ido até lá comprar um presente de Natal pra sua filha. Depois desse encontro, as duas acabam desenvolvendo uma relacionamento amoroso.

Amigos, apenas uma mensagem: vão ver esse filme. É sensível, é triste e retrata com muita delicadeza o drama de se envolver com uma pessoa do mesmo sexo naquele contexto da década de 50. Imaginem, hoje essa situação ainda está extremamente difícil mesmo com todas as lutas e todas as mudanças políticas que vem ocorrendo. O filme parece retratar bem as barreiras e angústias que as pessoas de mesmo sexo viviam para estarem juntas naquela época, principalmente se você era uma mulher casada e com filhos, o caso de Carol.

Ainda assim, o filme é bonito demais porque, ao meu ver, fala também sobre se apaixonar por alguém. E às vezes acontece assim, de repente, quando menos se espera e por alguém que menos se espera. Infelizmente a vontade de estar junto pode não superar toda a pressão da sociedade quando ela diz que não é certo estarem juntos, mas o sentimento, esse ninguém pode falar que não é certo. Então, gente, aproveitem que ele está em cartaz em muitos lugares, vejam se está aí na cidade de vocês e corram pra ver.

 *

The Lobster (Yorgos Lanthimos, 2015)

 photo 20151009-the-lobster-papo-de-cinema-04_zpsqof1hbgs.jpg

Num futuro distópico, de acordo com as leis da Cidade, pessoas são proibidas de serem solteiras. Os que tiram o azar de ficarem sozinhos são levados para o Hotel e tem 45 dias para encontrarem um novo alguém e assim se tornarem um casal, sendo liberados pra viver em sociedade novamente. Aqueles que não conseguem cumprir a missão são transformados em um animal (as próprias pessoas escolhem qual animal será) e levados para a Floresta. Nesse contexto, acompanhamos a jornada de David na busca por uma parceira.

A sinopse podia ser maior porque na Floresta acontecem muitas outras coisas e fiquei com muita vontade de escrever aqui. Mas resolvi contar só isso porque era o que eu sabia quando vi o trailer. Por falar nisso, caso vocês assistam ao trailer, não se enganem, não é uma comédia romântica. É um filme muito estranho e denso e faz a gente ficar muito em dúvida se é melhor ser solteiro ou não, dentro da situação do filme. Ao mesmo tempo, faz a gente pensar bastante sobre essa estrutura familiar e monogâmica que é imposta na nossa sociedade. Enfim, de qualquer jeito, não tem uma perspectiva muito positiva, já aviso.

*

Reality Bites (Ben Stiller, 1994)

 photo realitybites_zpsumnb4uvq.jpg

Um grupo de amigos acabou de se formar na faculdade e, de repente, foram todos empurrados pra realidade de conseguir um emprego, manter uma casa, ter um vida decente, se relacionar com outras pessoas, se apaixonar, procurar um sentido nas coisas do mundo… e ainda conseguir fazer tudo isso funcionar com as ideologias que eles tinham quando ainda eram estudantes.

Quando vi esse filme pela primeira vez eu era bem mais nova, devia ter uns 17 ou 18 anos. Lembro que gostei, mas agora, já tendo passado por essa fase de sair da faculdade, sair de casa e etc, acho que o filme fez muito mais sentido. Inclusive, eu nem achava que ia fazer tanto, porque ele é da década de 90 e pensei que “já tá velho, né?”. Mas, olha, tem uns probleminhas aí que não mudaram muito em 20 anos não, viu? Tem certos dramas que vão sempre andar juntos com nossa existência, ao que parece.

Se você já viu esse filme há algum tempo, assim como eu, recomendo assistir novamente. Apesar de ser um filme bem, digamos, jovem, é daqueles que fazem bem assistir quando estamos mais velhos. É minha impressão.

(E tem Winona e Ben Stiller novinhos com cara de anos 90, vale a pena!)

*

The end of the tour

Imagine que você é um jornalista e que teve a oportunidade de passar alguns dias entrevistando e viajando com um de seus ídolos. É isso que acontece em The end of the tour. O jornalista e escritor David Lipsky trabalhava pra Rolling Stone e conseguiu convencer seu editor a acompanhar David Foster Wallace na turnê de lançamento do Graça Infinita.

Em primeiro lugar, queria só deixar claro que eu realmente gostei do filme e não estou indicando só porque eu li Graça Infinita. É bom e você não precisa saber nada do DFW pra assistir. Na verdade, acho que o filme é meio que uma homenagem a ele e com certeza acabou se tornando uma ótima maneira de conhecê-lo.

Eu mesma não sabia muita coisa. Não costumo pesquisar tanto sobre um autor/diretor/artista antes de ter contato com a obra em si, então o filme acabou sendo bem surpreendente em muitos aspectos.

 photo end_of_the_tour_xlg_zpsjiqnhsct.jpg

Mas, como eu dizia, embora tudo aconteça durante a turnê do Graça Infinita, o filme é sobre o encontro dessas duas pessoas e não sobre o livro.

Um ponto interessante nisso tudo é essa relação entre um ídolo e seu admirador, especialmente quando os dois tem o mesmo trabalho. David Lispky também era escritor e tinha acabado de lançar um romance. DFW já era gigante e famoso e todo mundo queria ouvi-lo falar sobre seu livro. A impressão é que DFW tinha chegado aonde ele queria chegar, alcançou o topo, mas não parecia que isso o deixava muito feliz ou realizado, enquanto tudo que Lispky queria era ser como ele e ter aquela vida.

Então é uma relação meio conturbada, com muitos altos e baixos, em que tudo acontece ao mesmo tempo: você está feliz de estar com seu ídolo, sente muita admiração, mas também inveja e raiva porque talvez ele não valorize coisas que você valorizaria. Nunca tive a oportunidade de conhecer assim um ídolo de perto, mas imagino que devem acontecer coisas parecidas, ele provavelmente não vai ser aquilo que você imagina exatamente.

O filme também é muito bom pros aspirantes a escritor ou a jornalista. Ambos os personagens são escritores, então tem muito sobre os processos de escrita e relação entre as ideias e a realidade. E Lipsky, naquele momento, (além de admirador de DFW e escritor) estava trabalhando como jornalista, então é possível ver um pouco da relação conflituosa entre ele e seu editor, que quer porque quer arrancar uma informação de DFW sobre um assunto que Lipsky notou que seria difícil de conversar. Esses são alguns aspectos que também tornam o filme muito interessante mesmo pra quem não conhece  DFW.

 photo The.End.of.the.Tour.2015.720p.BRRip.x264.AAC-ETRG.00_37_08_04.Quadro002_zpsbl09epzy.jpg

 photo The.End.of.the.Tour.2015.720p.BRRip.x264.AAC-ETRG.00_48_00_23.Quadro003_zpscaj1xttf.jpg

 photo The.End.of.the.Tour.2015.720p.BRRip.x264.AAC-ETRG.01_36_26_02.Quadro004_zpsromvkiyy.jpg

No mais, só tenho a dizer que DFW foi uma personalidade muito interessante. Meio excêntrico, com um jeito meio peculiar de agir e falar, mas extremamente inteligente. Depois fui ver/ouvir umas entrevistas com ele no youtube e é bem fascinante o que ele fala e a maneira como ele coloca tudo com uma clareza e inteligência (de novo) e você fica meio uau. Mal posso esperar pra ler outros trabalhos dele.

E, no mais mais, quem assistiu How I Met Your Mother acredito que vai ficar tão impressionado quanto eu fiquei ao ver o Jason Segel – o Marshall – no papel do DFW. Meu queixo parou no chão quando assisti ao trailer e vi que era ele e que parecia uma pessoa totalmente diferente. Assistam!

Aqueles projetos…

Projeto? Desafio? Empreitada? Coisas que eu decidi fazer? Não sei qual o melhor termo, só sei que no ano passado usei meta e descobri que não gosto dessa palavra.

Pois é, mas e aí que essas metas do ano passado… já sabem, né? Assisti a 6 dos 12 filmes da lista. Acho que com exceção de Os Pássaros e Upstream Color (a decepção da lista, inclusive), falei sobre eles nos Filmes da semana. Mas que se dane que não consegui cumprir tudo, a vida é assim. E já estou pronta pra fazer uma nova lista, por que não? Adoro listas e adoro um desafio inofensivo. Só que dessa vez vai ser um pouco diferente porque resolvi incluir meus projetos de leitura.

 photo projetos2016 2_zpstygiy3jb.jpg

Projeto esse que deveria se chamar Calhamaços porque, olha, é só o que tem. Vou acabar lendo outros livros menores no meio do caminho (quero muito ler Sylvia Plath e Virginia Woolf também!), mas eu ficaria muito feliz se conseguisse ler todos esses três. Seis, na verdade, porque essa edição de Os Miseráveis tem dois volumes e o do Murakami é uma triologia.

Não acho que vai ser assim tão difícil. Estou pronta pra encarar qualquer livro gigantesco agora depois de acabar Graça Infinita.

 photo projetos2016 1_zpsaghpoj0i.jpg

Já com a lista de filmes, resolvi ser um pouco mais objetiva. Todos esses tem meio que uma razão para estarem aí.

Na lista de diretores admirados por mim, estão Sofia Coppola e Wes Anderson e gostaria muito de conseguir assistir a toda a filmografia deles, o que é bem possível de ser realizado. Da Sofia Coppola, acho que já vi tudo, mas Maria Antonieta faz bastante tempo e queria reassistir pra depois poder fazer um super especial por aqui. Sobre o Wes Anderson, Bottle Rocket e O Fantástico Sr. Raposo estão na minha lista há tempos e só faltam os dois pra eu completar a filmografia dele. Foco!

Vocês também já devem saber que gosto bastante do Godard, mas ainda não vi o último filme dele (infelizmente… queria poder ter assistido em 3D) e resolvi incluí-lo na lista. Godard acabou ficando muito conhecido porque foi um dos diretores mais importantes da Nouvelle Vague, um movimento cinematográfico importante que surgiu na França, na década de 60. Dessa época, só assisti a filmes dele e do François Truffaut, mas nunca vi nada de nenhum dos outros diretores. Como curto muito essa parte da história do cinema, queria conhecer outros trabalhos e resolvi começar pelo A Colecionadora, do Eric Rohmer, que também é um filme bem conhecido desse movimento.

E por último – desse texto porque escrevi fora da ordem da lista, desculpem – incluí Anjos Caídos, que é um dos filmes que compõe mais ou menos uma triologia do diretor Wong Kar Wai. Falei sobre os outros dois filmes no post das alegrias de 2015.

Ficou bem modesta minha listinha, não ficou? E vocês, o que estão planejando ler/ver esse ano?